Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

52% dos republicanos acreditam que Biden venceu porque a eleição nos EUA foi fraudada

Pesquisa da Reuters/Ipsos diz que 55% dos entrevistados acreditam que a eleição presidencial de 3 de novembro foi ''legítima e precisa'' — uma queda de 7 pontos percentuais em relação a 2016.

 

Pouco mais da metade dos republicanos acredita que o presidente americano Donald Trump "ganhou por direito" a eleição, mas o democrata Joe Biden venceu porque a disputa foi fraudada, aponta uma nova pesquisa de opinião.

A pesquisa Reuters/Ipsos, feita entre sexta-feira (13) e ontem (17), mostra que a estratégia de Trump de questionar a vitória de Biden tanto no voto popular quanto no Colégio Eleitoral parece estar afetando a confiança do público na democracia americana, especialmente entre os seus partidários.

Biden foi declarado vencedor da eleição no dia 7, quatro dias após a eleição presidencial americana, mas até agora Trump não admitiu a derrota. Sem apresentar provas, o atual presidente reclama de uma suposta fraude na apuração de alguns estados em que perdeu.

Até o momento, nenhuma autoridade reportou qualquer irregularidade na contagem dos votos.

Entre os entrevistados pela pesquisa, 73% concordam que Biden venceu a eleição e 5% acham que foi o atual presidente. Entre os republicanos, 52% dizem que Trump "ganhou por direito", contra 29% de Biden.

A pesquisa revela que 68% dos republicanos disseram estar preocupados com o fato de a eleição ter sido "fraudada", contra 16% dos democratas e um terço dos que se declaram independentes.

Na quinta-feira (12), o Departamento de Segurança Interna do país afirmou que a eleição presidencial foi "a mais segura da história americana". Ontem, Trump demitiu o diretor responsável pelo comunicado.

Diretor que reiterou que eleições nos EUA foram seguras é demitido por Trump

Diretor que reiterou que eleições nos EUA foram seguras é demitido por Trump

Ao todo, 55% dos americanos entrevistados dizem acreditar que a eleição presidencial de 3 de novembro foi "legítima e precisa" — uma queda de 7 pontos percentuais em relação a uma pesquisa semelhante realizada logo após a eleição de 2016.

Outros 28% disseram acreditar que a eleição foi "o resultado de votação ilegal ou fraude eleitoral", uma alta de 12 pontos em relação a quatro anos atrás, quando Trump derrotou a democrata Hillary Clinton. Entre os democratas, 52% disseram na época que a derrota de Clinton era "legítima e precisa".

A pesquisa Reuters/Ipsos foi realizada on-line, em inglês, em todos os Estados Unidos. Foram ouvidos 1.346 entrevistados, incluindo 598 democratas e 496 republicanos, e tem margem de erro de 5 pontos percentuais.

Acusações sem provas

Antes mesmo de vencer a eleição de 2016, Trump já colocava o processo eleitoral sob dúvidas. Na época, o então candidato também não apresentou nenhuma prova.

Neste ano, o atual presidente voltou a desacreditar a eleição por várias vezes durante a campanha e, após perder, continuou a afirmar sem provas que era vítima de uma votação ilegal generalizada.

Trump anunciou que entraria na Justiça em vários estados para contestar o resultado. "'Ele ganhou porque a eleição foi fraudada", afirmou no domingo (15) o presidente derrotado.

  • Relembre as mentiras mais famosas de Trump
  • VEJA TAMBÉM: Ao contrário do que dizem apoiadores de Trump, os 'eleitores mortos' de Michigan estão vivos

Na segunda-feira (16), o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, que também é republicano, acusou o senador Lindsey Graham de pressionar as autoridades eleitorais do estado para anular votos e reverter a vantagem de Biden sobre Trump.

Na terça-feira (17), fiscais republicanos atrasaram a certificação dos resultados do condado de Wayne, em Michigan, alegando "discrepância no número de votos". Detroit, a maior cidade do estado, fica no condado de Wayne. Horas depois, no entanto, eles voltaram atrás.

Também ontem, a campanha de Trump sofreu uma derrota na Pensilvânia. A Suprema Corte do estado decidiu que os observadores do Partido Republicano tiveram acesso adequado à contagem de votos.

Veja abaixo a checagem de várias mentiras compartilhadas sobre as eleições nos EUA:

  • É #FAKE que mais de 500 mil votos em Trump foram desviados para Biden
  • É #FAKE que vídeo mostre cédulas com votos para Trump sendo queimadas nos EUA
  • É #FAKE que cédulas com votos em Trump foram jogadas no lixo e encontradas na rua no Kentucky
  • É #FAKE que imagens mostrem caminhões descartando cédulas com votos em Trump em local descampado
  • É #FAKE que imagem mostre cédulas descartadas em estrada nos EUA
  • É #FAKE que cédulas com votos em Trump foram encontradas enterradas no Arizona
  • É #FAKE que recontagem em condado de Michigan mostra virada de Trump no estado
  • É #FAKE que houve recontagem de votos em Detroit e foi identificado um eleitor nascido em 1823
  • É #FAKE que em Wisconsin houve mais votos nesta eleição do que o total de eleitores registrados
  • É #FAKE que vídeo mostre mesários fraudando urnas nas eleições dos EUA

Veja vídeos das eleições nos EUA

20 vídeos Diretor que reiterou que eleições nos EUA foram seguras é demitido por Trump Donal Trump demite diretor de agência que assegurou a lisura das eleições americanas Biden faz alerta sobre as consequências negativas da recusa de Trump em reconhecer derrota

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE