Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Trump sondou possibilidade de atacar instalações nucleares no Irã, diz jornal

Presidente dos EUA levantou hipótese durante reunião na quinta 12 com o vice, Mike Pence, o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o chefe das Forças Armadas, general Mark Milley.

 

A dois meses de deixar o cargo de presidente dos Estados Unidos, Donald Trump perguntou a seus principais assessores sobre a possibilidade de atacar instalações nucleares do Irã, segundo o jornal "The New York Times".

Trump perguntou a vários conselheiros — incluindo o vice-presidente, Mike Pence, o secretário de Estado, Mike Pompeo, e o chefe das Forças Armadas, general Mark Milley — "se tinha opções de adotar medidas contra a principal instalação nuclear do Irã nas próximas semanas".

Segundo o jornal, os conselheiros dissuadiram o presidente de fazer um ataque militar e alertaram que uma ação desta magnitude poderia virar um conflito maior nas últimas semanas da sua presidência.

A hipótese foi levantada durante uma reunião no Salão Oval na quinta-feira (12), após relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) revelar que o Irã continua armazenando urânio.

O alvo mais provável do ataque era Natanz, de acordo com o jornal. O relatório da AIEA diz que as "reservas de urânio de Teerã eram 12 vezes maiores que o permitido pelo acordo nuclear que Trump abandonou em 2018".

Acordo nuclear

O presidente americano deixou o acordo costurado por Obama com diversas potências mundiais três anos após sua assinatura. O objetivo do pacto era frear a expansão da capacidade nuclear do Irã.

Na época, o presidente americano afirmou que Irã era o "principal Estado patrocinador do terrorismo".

O país foi, durante muito tempo, o grande foco de Trump. O presidente impôs sanções a Teerã e ampliou as medidas após Washington abandonar o acordo nuclear.

Os sócios europeus do acordo lutam para manter o acordo e esperam que a chegada à Casa Branca do democrata Joe Biden mude a abordagem dos EUA contra o Irã.

Além dos EUA e do Irã, assinaram o acordo nuclear os outros membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Reino Unido, França, China e Rússia) e a Alemanha.

Tensão entre EUA e Irã

Na sexta-feira (13), o "NYT" revelou que o número dois da Al Qaeda, Abdullah Ahmed Abdullah, foi morto no Irã — o que o governo iraniano nega.

Conhecido como Abu Muhammad al-Masri, Abdullah foi baleado nas ruas da capital Teerã em segredo, há três meses. Ele é acusado pelos EUA de planejar ataques a embaixadas americanas.

Segundo o jornal, o terrorista foi morto por homens ligados a Israel com o apoio dos EUA que estão infiltrados no Irã. A filha Miriam — viúva de um dos filhos de Osama bin Laden — também morreu na operação.

No início do ano, os EUA mataram o principal general iraniano, Qassem Soleimani, chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e um dos homens mais poderosos do país.

Soleimani foi morto em um ataque americano com drone em Bagdá. Em retaliação, o Irã atacou duas bases que abrigam tropas dos EUA no Iraque.

Recentemente, o governo Trump intensificou as medidas contra Teerã, o que alguns críticos veem como uma tentativa de construir um "muro de sanções" que seria difícil para Biden derrubar.

Veja os vídeos mais assistidos do G1

20 vídeos Câmera de segurança registra 'clarão' causado por queda de meteoro no RS Criança é arremessada ao ser atingida por carro e sai andando Jacaré gigante atravessa campo de golfe na Flórida

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE