Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Governo do Irã nega morte de número 2 da Al Qaeda

Abdullah Ahmed Abdullah, conhecido como Abu Muhammad al-Masri, teria sido baleado nas ruas de Teerã em segredo há 3 meses, segundo o The New York Times . Ele é acusado de planejar ataques a embaixadas americanas.

 

O governo do Irã negou, neste sábado (14), que o terrorista Abdullah Ahmed Abdullah, conhecido como Abu Muhammad al-Masri, foi morto secretamente pelas forças do país. A morte, que não é confirmada por meios oficiais, foi noticiada na sexta (13) pelo jornal "The New York Times".

Em um comunicado divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores, os iranianos acusam os Estados Unidos e Israel de vazar mentiras sobre as ações de grupos terroristas no Oriente Médio.

"De vez em quando, Washington e Tel Aviv tentam amarrar o Irã a tais grupos mentindo e vazando informações falsas para a mídia a fim de evitar a responsabilidade pelas atividades criminosas desse grupo e de outros grupos terroristas na região", disse o ministério.

Al-Masri era considerado o número 2 da facção Al-Qaeda e teria morrido baleado nas ruas de Teerã há três meses, disseram fontes da inteligência americana à reportagem do "Times".

A mando dos EUA, agentes israelenses matam número 2 da Al-Qaeda

A mando dos EUA, agentes israelenses matam número 2 da Al-Qaeda

Também segundo essas fontes, al-Masri teria sido morto por homens ligados a Israel, e com o apoio norte-americano, infiltrados no Irã. A filha dele, Miriam — viúva de um dos filhos de Osama bin Laden — também morreu na operação.

Al-Qaeda, EUA e Israel ainda não reconheceram publicamente a informação sobre a morte.

Al-Masri é acusado de ter planejado os ataques mortais a embaixadas americanas na África em 1998. Ele estava na lista de procurados do FBI, a polícia federal dos EUA.

Seu perfil ainda estava no site do órgão neste sábado. É oferecida uma recompensa de US$ 10 milhões (cerca de R$54 milhões) por informações que possam levar à sua captura.

Segundo o jornal dos EUA, funcionários da inteligência americana dizem que al-Masri estava sob a "custódia" do Irã – país inimigo da Al-Qaeda – desde 2003, mas vivia livremente no distrito de Pasdaran em Teerã, um subúrbio nobre, desde pelo menos 2015.

Ele e a filha teriam sido mortos por homens que estavam em uma moto e se aproximaram do carro onde os dois estavam, disparando contra eles em plena luz do dia.

VÍDEOS mais vistos da semana

20 vídeos Vídeo mostra momento em que candidato a vereador é baleado em Guarulhos, SP Jacaré gigante atravessa campo de golfe na Flórida Joe Biden faz discurso da vitória como presidente eleito dos EUA

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE