Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Rússia, Japão e Indonésia batem recorde de novos casos de Covid

Indonésia anunciou vacinação em massa da população com imunizantes da Sinovac e Sinopharm, duas farmacêuticas chinesas. Uma delas é a CoronaVac, que é testada no Brasil.

 

Rússia, Japão e Indonésia registraram novos recordes de novos casos de Covid nesta sexta-feira (13).

Foram 21.983 infectados e 411 mortes na Rússia, o que elevou o total para 1.880.551 e 32.443, respectivamente.

Moscou segue como o principal foco da doença no país, que é o quinto em número de casos — atrás apenas de EUA, Índia, Brasil e França.

No Japão, foram 1.685 novos infectados, número que bateu o recorde do dia anterior. O total de casos chegou a 116.220 e o de mortes se aproximou de 2 mil.

Apesar da alta nos casos, o primeiro-ministro Yoshihide Suga descartou que o país precise de outro estado de emergência para enfrentar a pandemia.

"Os especialistas ainda não acham que estamos em uma situação em que precisamos instituir outro estado de emergência", afirmou o premiê.

O Japão impôs um estado de emergência pela primeira vez em abril e o suspendeu no mês seguinte.

Vacinação em massa na Indonésia

A Indonésia registrou 5.444 novos casos e 104 mortes. Com 457.735 infectados e 15.037 óbitos, o país é o mais afetado pela pandemia no sudeste asiático.

O governo indonésio anunciou que vai receber 18 milhões de vacinas das chinesas Sinovac e Sinopharm para vacinar em massa a população.

A intenção é receber uma autorização de emergência na primeira semana de dezembro e iniciar a vacinação duas semanas depois, começando por profissionais de saúde, policiais e militares.

Polêmica da CoronaVac no Brasil

A Sinovac é a empresa que desenvolve a CoronaVac, imunizante que é testado no Brasil e foi alvo de polêmica entre o governo federal e o de São Paulo nesta semana.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu os testes no país na noite de segunda-feira (9), após um "evento adverso grave" com um voluntário.

O Instituto Butantan, responsável pelos testes no Brasil, afirmou que tinha avisado a Anvisa da morte de um voluntário, mas que não havia nenhuma relação com a vacina.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) celebrou a suspensão dos testes e citou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que é seu adversário político.

Apesar de dizer que a decisão de interromper os testes da CoronaVac foi "técnica" e baseada na falta de informações, a Anvisa autorizou a retomada dos estudos na quarta-feira (11).

Saiba mais sobre o novo coronavírus em reportagens do JN

20 vídeos Voluntário morreu por combinação de medicamentos sem relação com vacina Brasil registra 926 novas mortes por Covid após atualização de dados atrasados Bolsonaro volta a minimizar pandemia: Brasil 'tem que deixar de ser um país de maricas

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE