Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Brasil não assina compromisso global para reverter perda da biodiversidade

O acordo foi assinado por líderes de 77 países de todas as regiões e da União Europeia. Estados Unidos, Austrália, China, Rússia e Índia também se recusaram a participar da ação.

 

Em setembro, líderes de 77 países de todas as regiões e da União Europeia assinaram um compromisso voluntário para reverter a perda de biodiversidade no mundo até 2030. O governo do Brasil não assinou o documento.

Chamado de “Compromisso dos Líderes pela Natureza”, o documento tem por objetivo tomar medidas para conter o declínio catastrófico causado pelo homem. Entre as propostas, está o compromisso de acabar com os crimes ambientais (Veja mais abaixo).

A proposta contou com a adesão de países como Nova Zelândia, França, Alemanha. Entre os vizinhos do Brasil que assinaram o acordo, estão o Peru, Bolívia e Colômbia, que compartilham áreas da Floresta Amazônica.

Além do governo de Jair Bolsonaro, líderes dos Estados Unidos, Austrália, China, Rússia e Índia também se recusaram a assinar o documento.

  • Importância do Brasil na biodiversidade mundial é maior do que se pensava, dizem cientistas
  • 'Somos a espécie mais perigosa da história': cinco gráficos sobre o impacto da atividade humana na biodiversidade
  • Com 2,5 mil focos de incêndio em 14 dias, Pantanal já tem segundo pior outubro da história

Entenda a importância das restingas e manguezais na biodiversidade

Entenda a importância das restingas e manguezais na biodiversidade

Unidos para reverter a perda da biodiversidade

O compromisso lista dez ações urgentes para os próximos dez anos. Entre os pontos estão:

  • acabar com os crimes ambientais;
  • investimento em uma recuperação econômica “verde” e sustentável pós-pandemia;
  • diminuir a poluição do ar, terra, solo, água doce;
  • eliminar o descarte de plástico nos oceanos

“Estamos em estado de emergência planetária: as crises interdependentes de perda de biodiversidade e degradação de ecossistemas e mudança climática – impulsionadas em grande parte pela produção e consumo insustentáveis – requerem ação global urgente e imediata. A ciência mostra claramente que a perda de biodiversidade, a degradação da terra e dos oceanos, poluição, esgotamento de recursos e mudanças climáticas estão se acelerando a uma taxa sem precedentes [...] A menos que esse cenário seja interrompido e revertido com efeito imediato, ele causará danos significativos à resiliência e estabilidade econômica, social e política global”, diz a carta.

  • Pandemia do plástico: Covid-19 joga no lixo sonho da reciclagem

VÍDEOS: Natureza e meio ambiente

20 vídeos Projeto de educação ambiental usa golfinhos robôs Pior seca dos últimos 50 anos na região Noroeste paulista Tribunal de Justiça de São Paulo suspende julgamento de recurso de Ricardo Salles

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE