Notícias

Notícias

Fechar
PUBLICIDADE

Notícias

Inspeção na Divisão de Vigilância em Saúde detecta notificações pendentes de envio pelo sistema

Atraso na digitação de fichas epidemiológicas gera casos de sub-notificações no município de Santarém.

 

Uma inspeção realizada por diretores técnicos da Epidemiologia do 9º Centro Regional de Saúde (CRS) da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), na Divisão de Vigilância em Saúde (Divisa) e na Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) de Santarém, oeste do Pará, nesta terça-feira (8), detectou pendências e atrasos de lançamentos das informações das fichas epidemiológicas, referentes a ocorrência de casos do novo coronavírus no município.

A responsabilidade de alimentar o sistema é da Divisão Epidrmiológica que funciona na Divisa. elaborado um relatório de inspeção pela Sespa sobre o que foi encontrado, mas foi identificado pela equipe que esteve no local pelo menos cinco caixas cheias de fichas a serem lançadas.

A inspeção foi acompanhada pelo promotor de Justiça Bruno Fernandes, designado pela Procuradoria-Geral para atuação na 8ª Promotoria de Santarém. Segundo ele, a Divisa ficou de contabilizar e indicar à Sespa a quantidade de fichas pendentes. Uma das propostas do 9º CRS, entre outras, é montar uma força tarefa para digitação das notificações pendentes.

Em reunião realizada no dia 4 de agosto, que contou também com a presença da promotora de Justiça Évelin Staevie dos Santos, o Ministério Público do Estado e os órgãos de saúde discutiram os problemas e soluções para as muitas falhas estruturais persistentes, pois as informações das fichas epidemiológicas estavam chegando atrasadas à Sespa, em especial em relação às áreas indígenas. Ocorria geralmente das informações serem encaminhadas por aplicativo de mensagens instantâneas, inseridas em planilhas e lançadas no Boletim, chegando após as fichas.

Essas dificuldades de preenchimento e lançamento das fichas no sistema geraram um aumento no número de casos de subnotificações.

"A sub-notificação dos casos que são registrados nos boletins epidemiológicos, geram distorção da análise de casos no Município de Santarém”, reforçou o promotor Bruno Freitas.

Nesse mesmo dia 4 também foram abordados o oferecimento de medicações, a climatização do Hospital de Campanha, o controle de testes rápidos, controle epidemiológico, entre outras questões referentes ao combate à pandemia.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Notícias

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE