Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Assembleia do Afeganistão concorda em libertar 400 prisioneiros do Talibã

Com decisão, número total de liberados chega a 5 mil, o que abre caminho para o acordo de paz e a retirada de tropas americanas do país.

 

O Afeganistão concordou neste domingo (9) em libertar 400 prisioneiros "radicais" do grupo extremista islâmico Talibã, abrindo caminho para o início das negociações de paz com o objetivo de encerrar mais de 19 anos de guerra.

Sob a pressão do ano eleitoral do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por um acordo que lhe permitisse retirar as tropas americanas do Afeganistão, a grande assembleia do país devastado pela guerra aprovou a liberação, uma condição polêmica levantada pelos militantes do Talibã.

"Para remover um obstáculo, permitir o início do processo de paz e o fim do derramamento de sangue, a Loya Jirga (grande assembleia) aprova a libertação de 400 talibãs", disse em uma resolução.

  • Talibã rejeita proposta do governo do Afeganistão e diz que pode 'retomar os combates'
  • EUA e Talibã assinam acordo, e tropas americanas e da Otan sairão do Afeganistão em 14 meses

Minutos depois, o presidente afegão Ashraf Ghani afirmou: "Hoje, assinarei a ordem de libertação desses 400 prisioneiros".

Na semana passada, Ghani convidou cerca de 3.200 líderes comunitários e políticos afegãos para ir a Cabul em meio a forte segurança e preocupações sobre a pandemia de Covid-19 para aconselhar o governo sobre se os prisioneiros deveriam ser libertados.

Com a libertação, o governo afegão cumprirá sua promessa de libertar 5.000 prisioneiros talibãs.

As negociações entre o Talibã e o governo em guerra começarão em Doha nesta semana, disseram diplomatas ocidentais. Ghani apelou ao grupo extremista islâmico para se comprometer a um cessar-fogo completo antes das negociações.

A deliberação sobre a libertação do último lote de prisioneiros do Taleban, acusados ??de conduzir alguns dos ataques mais sangrentos em todo o Afeganistão, gerou indignação entre civis e grupos de direitos humanos que questionaram a moralidade do processo de paz.

Só em 2019, mais de 10.000 civis foram mortos ou feridos no conflito no Afeganistão, colocando o total de vítimas na última década em mais de 100.000, segundo um relatório das Nações Unidas no ano passado.

Antes da Loya Jirga, a Human Rights Watch advertiu que muitos dos prisioneiros haviam sido presos sob "leis de terrorismo excessivamente amplas que preveem detenção preventiva por tempo indeterminado".

Antes das eleições de novembro nos Estados Unidos, Trump está determinado a cumprir uma grande promessa de campanha de encerrar a guerra mais longa da América.

A redução trará o número de soldados dos Estados Unidos no Afeganistão para "um número inferior a 5.000" até o final de novembro, disse o secretário de Defesa, Mark Esper, em uma entrevista transmitida neste sábado (8).

Em um pacto de fevereiro permitindo a retirada das tropas americanas, Washington e o Talibã concordaram com a libertação dos prisioneiros talibãs como condição para as negociações com Cabul.

EUA e grupo extremista Talibã assinam acordo de paz histórico

EUA e grupo extremista Talibã assinam acordo de paz histórico

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE