Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Nasa lança missão para Marte em busca de vida em local que já foi um lago há bilhões de anos

Robô Perseverance, da Mars 2020, irá aterrissar em cratera de 45 km de largura na parte norte do planeta, um depósito de sedimentos. Amostras serão coletadas e, depois, retornarão para a Terra.

 

Os cientistas acreditam que Marte tinha, entre 3 e 4 bilhões de anos atrás, um lago onde hoje existe uma cratera. É lá que irá aterrissar a nova missão da agência espacial americana (Nasa), a Mars 2020, para coletar amostras em busca de vida. O local tem sedimentos similares aos encontrados na Terra que podem conter vestígios de outros organismos.

Sobre a Mars 2020

  • A janela de lançamento está prevista para 8h50 desta quinta-feira (30), horário de Brasília, a partir da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, na Flórida;
  • A previsão de aterrissagem em Marte é 18 de fevereiro de 2021;
  • O robô Perseverance carrega instrumentos para, além de coletar amostras, observar a geologia e transformar dióxido de carbono em oxigênio para viabilizar uma missão com humanos no planeta.

Nome de robô Perseverance foi escolhido por estudante americano — Foto: JPL-Caltech/Nasa

'Preserverance'

O nome do robô foi escolhido por um estudante da sétima série do estado de Virgínia, anunciado em março deste ano. Alexander Mather teve a sugestão escolhida entre 28 mil inscrições feitas por alunos do ensino fundamental e médio dos Estados Unidos.

Alexander Mather, estudante americano que batizou o robô Perseverance — Foto: Joseph Rebello

O Perseverance é o mais recente robô da linha de enviados a Marte. O primeiro foi o Sojourner, em 1997, seguido por Spirit e Opportunity, que desembarcaram no planeta em 2004. O último foi o Curiosity, que está no planeta desde 2012. Todos eles tiveram os nomes escolhidos em concursos nacionais.

De acordo com a agência espacial americana, o Perseverance é um "cientista robô" que pesa pouco mais de 1 tonelada. Ele conta com uma série de instrumentos: câmeras de engenharia, equipamentos nos braços, uma broca, uma estação meteorológica, instrumento de laser, câmeras para fazer panoramas coloridos, entre outros.

Aterrissagem

O local da chegada a Marte foi escolhido especialmente por ter mais chance de encontrar indícios de vida. A cratera Jezero foi um lago bilhões de anos atrás, e contém um depósito rico em argila. O nome significa, inclusive, "lago" em diferentes línguas, como tcheco e esloveno.

As amostras coletadas em solo retornarão, no entanto, em uma missão futura. Os instrumentos irão empacotar as rochas em pedaços do tamanho de um giz e colocá-los em tubos. Uma parceria da Nasa e da Agência Espacial Europeia (ESA) trará o material de volta para análise dos cientistas na Terra, com equipamentos de maior capacidade para investigação científica.

Geologia e oxigênio

Os instrumentos enviados também precisam abrir espaço para a chegada do homem ao planeta vermelho. Será acoplado o Ingenuity junto ao Perseverance, um helicóptero de 1,8 kg com hélices que giram cerca de 8 vezes mais rápido do que um helicóptero comum.

O terreno será fotografado como nunca no planeta - são 19 câmeras - para trazer informações sobre o clima e a geologia de Marte. O instrumento MOXIE deverá produzir oxigênio com base na atmosfera de dióxido de carbono. Essa conversão será um dos passos para conseguir levar astronautas em uma missão tripulada no futuro. Além disso, outras missões para a Lua deverão "preparar o caminho" para conseguir chegar lá.

Cientista brasileiro participa da missão

Daniel Nunes é brasileiro e participa da missão Mars 2020 — Foto: Embaixada dos EUA no Brasil

Daniel Nunes, um astrônomo e físico brasileiro, garantiu os ajustes finais da missão Mars 2020 em casa, de quarentena. O carioca trabalha na Nasa desde 2014 e é responsável pela produção de um radar de penetração do solo do planeta vermelho. Ele disse que tudo é possível com "muito trabalho e dedicação", mas que é um ambiente "bem competitivo" e "as coisas raramente vêm na primeira vez".

"Eu tenho duas funções. A primeira é a de investigador científico do instrumento, um radar de penetração do solo, e representar os interesses da missão durante o desenvolvimento. Também sou um co-investigador que deve acompanhar os dados desse instrumento", disse Nunes.

De acordo com o brasileiro, a Mars 2020 será uma missão de muitas "primeiras vezes". Será a primeira vez que uma sonda irá investigar a geologia de Marte em solo. Também será a primeira vez que irão converter dióxido de carbono em oxigênio. E a primeira vez que vão até uma cratera com sedimentos em Marte com chance de encontrar vestígios de vida anterior.

"Qualquer um desses resultado vai ser histórico. Já tivemos dois radares voando na órbita de Marte, mas a resolução era baixa. Esse é o primeiro radar na superfície.", explicou Nunes.

O Perseverance, o novo robô que a Nasa enviará rumo a Marte — Foto: Nasa

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE