Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Bolívia adia eleições mais uma vez; previsão é 18 de outubro para o 1º turno

Por causa do novo coronavírus, pleito ocorreria em setembro. Nova alta nos casos levaram autoridades bolivianas a postergar novamente a votação.

 

As eleições gerais da Bolívia estão adiadas para 18 de outubro, decidiu nesta quinta-feira (23) o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do país. Caso haja segundo turno, a votação ocorrerá em 29 de novembro.

É a segunda vez que as eleições que escolherão o novo presidente da Bolívia é adiada por causa do novo coronavírus — o pleito deveria ocorrer no primeiro semestre deste ano, mas as autoridades eleitorais haviam postergado para setembro com o avanço da Covid-19.

Eleições na Bolívia podem ser adiadas por causa da pandemia

Eleições na Bolívia podem ser adiadas por causa da pandemia

Em entrevista coletiva, o presidente do TSE, Salvador Romero, disse que tomou a decisão com base na piora da epidemia do novo coronavírus na Bolívia. Além dos casos reportados em hospitais, centenas de corpos foram retirados das ruas e das casas do país nos últimos dias, o que aponta para um problema sanitário severo.

"Essas eleições requerem as maiores medidas de segurança sanitária possíveis para proteger a saúde dos bolivianos", disse, segundo o jornal "El Deber".

Jeanine Áñez, presidente interina da Bolívia, passa por teste para saber se está com o novo coronavírus, em foto de 12 de junho — Foto: Courtesy of Bolivian Presidency/Handout via Reuters

Segundo a Universidade Johns Hopkins, a Bolívia tinha mais de 64 mil casos confirmados de novo coronavírus acumulados desde o início da pandemia até esta quinta. O número de mortos pela Covid-19 no país chegou a 2.328.

Entre os infectados, está a presidente interina Jeanine Áñez, que tentará se manter no cargo após assumir a presidência em novembro no ano passado com a renúncia de Evo Morales. O ex-presidente não concorrerá e está em asilo político na Argentina.

Corrida apertada

Luis Arce Catacor, ex-ministro da Economia e candidato à presidência da Bolívia pelo Movimento ao Socialismo, partido de Evo Morales, fala a jornalistas após o anúncio de sua candidatura, em Buenos Aires, em 20 de janeiro — Foto: Reuters/Mariana Greif

Pesquisa divulgada na terça-feira pela Ipsos mostra que Luis Arce, afilhado político de Evo, está empatado com o ex-presidente Carlos Mesa. Ambos têm 26% das intenções de voto. Áñez vem em terceiro, com 14%.

Segundo a consulta, Arce e Mesa deverão disputar um segundo turno, no qual o ex-presidente (2003-2005) teria uma vitória folgada de 48% contra 34% do candidato do MAS.

Carlos Mesa, opositor de Evo Morales nas eleições de outubro, comemora a renúncia do presidente bolivariano nas ruas de La Paz neste domingo (10) — Foto: Manuel Claure/Reuters

As eleições agora marcadas para outubro foram convocadas após Evo renunciar ao cargo em meio a denúncias de fraude na votação de 2019 — essa, dentro do calendário eleitoral comum na Bolívia. Após Áñez assumir a presidência, um novo pleito foi marcado para maio de 2020, mas acabou adiado por causa da pandemia.

CAI EVO MORALES

  • Evo renuncia

  • ENTENDA a crise política

  • CRONOLOGIA da crise

  • O ASSUNTO: por que Evo caiu?

  • PERFIL de Evo

  • VÍDEOS

  • Asilo de Evo no México

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE