Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Soldados chineses se retiram de zona de disputa com Índia

Em 15 de junho, militares indianos e chineses se enfrentaram em combates de corpo a corpo de extrema violência em Ladakh norte da Índia . Os dois gigantes asiáticos mantêm vários litígios fronteiriços neste deserto.

 

As tropas da China começaram a se retirar do vale Galwan, disputado com a Índia no Himalaia, palco há alguns dias de um confronto letal entre os dois exércitos - anunciou uma fonte militar indiana nesta segunda-feira (6).

  • China e Índia: o que há por trás da escalada de tensão que deixou 20 soldados mortos em choque na fronteira
  • China diz que não deseja mais confrontos com a Índia na fronteira

"O recuo do Exército Popular de Libertação começou, segundo as diretrizes acertadas em um encontro entre os dois generais do corpo do Exército" de ambos os lados, declarou a mesma fonte à AFP.

'Confronto violento' entre China e Índia deixa 20 soldados mortos no Himalaia

'Confronto violento' entre China e Índia deixa 20 soldados mortos no Himalaia

Em 15 de junho, militares indianos e chineses se enfrentaram em combates de corpo a corpo de extrema violência, no vale de Galwan, em Ladakh (norte da Índia). Os dois gigantes asiáticos mantêm vários litígios fronteiriços neste deserto.

Mapa - confronto Índia x China — Foto: Aparecido Gonçalves/G1

Os confrontos custaram a vida de 20 militares indianos. Pequim não divulgou o número de vítimas em suas fileiras.

Soldados chineses "foram vistos desmontando suas barracas e estruturas" instaladas em um dos pontos de atrito do vale, relatou a fonte militar indiana ouvida pela AFP.

De um modo geral, o Exército indiano constatou "movimentos de recuo de veículos" militares chineses em várias zonas disputadas da região.

A fonte não disse, porém, se as forças indianas estão fazendo este mesmo movimento.

Nesta segunda, o Ministério chinês das Relações Exteriores mencionou "avanços positivos" para a retirada militar ao longo da fronteira.

"Esperamos que a parte indiana siga a parte chinesa para pôr em prática o consenso alcançado pelos dois lados" com a perspectiva de "um apaziguamento da situação nas zonas fronteiriças", declarou o porta-voz da diplomacia chinesa, Zhao Lijian.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE