Notícias

Notícias

Fechar
PUBLICIDADE

Notícias

O luto em tempos de pandemia e isolamento social é tema de debate nesta segunda

A realização de velórios e do rito de despedida sofreu grande impacto na pandemia, que no Pará já vitimou quase 5 mil pessoas.

 

No Pará, quase 5 mil pessoas morreram vitimadas pela Covid-19, e seus familiares e amigos não puderam se despedir. Com a necessidade do isolamento social, a pandemia impôs a ruptura dos costumes de despedida quando um ente querido chega ao fim da vida. Se a pessoa morreu acometida do novo coronavírus, o processo é ainda mais duro, visto que o risco de contaminação é tamanho que os caixões precisam ser lacrados. O luto nos tempos de pandemia é tema de debate que reúne especialistas nesta segunda-feira (29), às 19h, pelas redes sociais.

  • Saiba lidar com os diversos tipos de luto que a pandemia provoca
  • Colapso no sistema funerário: corpos amontoados no chão do IML de Belém

Participam da live promovida pelo Conselho Regional de Psicologia do Pará e Amapá (CRP 10) Margareth Yoshikawa, mestre em Psicologia Clínica (PUC-SP), membro do Instituto Brasileiro de Terapia de Sandplay e da International Society for Sandplay Therapy; Tamar Parente, psicóloga do TJPA Santarém (PA); facilitadora de círculos de justiça restaurativa e construção da paz; especialista em Neuropsicologia, Psicologia Jurídica e Terapia Familiar; e Camile Pantoja Mota, mestre em Psicologia Clínica e Social (UFPA), especialista em Psicologia da Saúde e Hospitalar, e membro do Laboratório de Estudos do Luto e Saúde (UFPA).

O isolamento dos doentes e a impossibilidade de realizar os rituais de despedida em casos de morte causam impacto profundo no processo de luto de uma comunidade. “Não dizemos adeus da mesma forma que antes. Não podemos oferecer o amparo presencialmente. Não temos mais o olho no olho que acolhe. Como familiares, a sensação de impotência é devastadora”, diz Margareth Yoshikawa.

Aos profissionais de saúde, cabe o desafio de viabilizar a manutenção da saúde mental e a dignidade dos pacientes e familiares ao criar estratégias para o contato remoto por meio de chamadas de vídeo ou áudio. “A inovação e a humanização também são ferramentas do cuidar”, diz Camile Mota.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Notícias

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE