Notícias

Notícias

Fechar
PUBLICIDADE

Notícias

Belém deve reabrir restaurantes no dia 1º de julho e ainda não há previsão para a volta às aulas, diz prefeito

Zenaldo Coutinho anunciou que restaurantes começam a reabrir em julho; escolas e creches serão a última etapa de reabertura.

 

O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, informou nesta terça-feira (23) que a cidade deve reabrir os restaurantes a partir de 1º de julho. Segundo o gestor, escolas e creches ficarão para última fase de reabertura, sem prazo definido.

“Não será agora que vamos retomar [as aulas]. É assim no mundo inteiro. As crianças vão pra escola, voltam e contaminam papai e mamãe. Temos que evitar isso”, afirmou Zenaldo, pelas redes sociais.

Zenaldo afirmou que a curva da pandemia em Belém está estável, mas com ocorrências. “Estamos com 3 óbitos suspeitos de Covid ontem e um óbito confirmado hoje”, pontuou.

Polêmica dos terminais

O prefeito voltou a mencionar a polêmica envolvendo os terminais rodoviários. Um decreto estadual autorizou a volta de viagens intermunicipais e interestaduais em todo o Pará, incluindo na capital. Zenaldo se manifestou e alegou que não foi procurado pelo governo estadual para discutir a medida. A prefeitura, então, vetou a reabertura dos terminais. O conflito de ordens causou confusão e reclamação entre os usuários do transporte.

Segundo o governo estadual, a liberação segue o que determina o Decreto Estadual 800/2020, publicado com alterações no Diário Oficial (DOE), pelo Governo do Pará, que acompanha a retomada das atividades não essenciais em oito setores econômicos e sociais, de forma gradual e seguindo os protocolos específicos de prevenção.

“Ainda nem conseguimos abrir todos os segmentos econômicos em Belém e, se permitir o transporte, muita gente vai vir pra Belém e podemos ter um novo surto, nesse momento em que estamos conseguindo um equilíbrio”, disse Zenaldo. “Quero dizer que, independente de questão política, acho um equívoco do governo do Estado liberar os transportes intermunicipal e interestadual. Tentamos um acordo, mas não conseguimos. Por isso, estamos reivindicando judicialmente para suspender essa decisão”, completou.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Notícias

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE