Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

França repatria filhos de jihadistas franceses que estavam na Síria

Crianças são órfãs ou que estavam em um campo de deslocados sob controle curdo no nordeste da Síria.

 

A França repatriou dez filhos de jihadistas franceses órfãos ou que estavam presos em um campo de deslocados sob controle curdo no nordeste da Síria.

O Ministério francês das Relações Exteriores afirmou, em um comunicado divulgado nesta segunda-feira (22), que eles foram entregues às autoridades judiciais francesas. Eles devem receber acompanhamento médico particular e ser atendidos pelos serviços sociais.

Uma delegação francesa foi buscá-los em Qamishli, disse no Twitter Abdel Karim Omar, chefe das Relações Exteriores no governo autônomo curdo, em território sírio.

A mais nova dessas crianças tem dois anos e, entre elas, três não são órfãs, mas suas mães "concordaram em mandá-las para a França, devido às condições no acampamento", disse uma fonte curda à AFP.

O coletivo Famílias Unidas, que reúne os familiares, afirmou que duas mães concordaram em se separar de seus filhos e, em um desses casos, uma criança teve que se separar de seus irmãos. "Toda criança que vem é uma vida salva", afirma.

Cerca de 300 filhos de jihadistas franceses estão nos campos de Al-Hol e Roj, no nordeste da Síria sob controle curdo, segundo o coletivo, que pede ao governo francês a repatriação também de suas mães.

O fato das crianças abandonarem "suas mães nos campos apenas ajuda a acentuar seus traumas". Essas crianças "já são feridas por sua história, pelas batalhas, pela guerra e pela vida nos acampamentos.

Desde a queda do grupo Estado Islâmico (EI) em março de 2019, a França repatriou 28 crianças da Síria: cinco em março de 2019, 12, em junho de 2019, e uma menina com malformação cardíaca em abril.

Porém, a França não quer repatriar os 150 adultos, homens e mulheres, que lutaram nas fileiras do EI e prefere que sejam julgados em território sírio.

As autoridades curdas do nordeste da Síria afirmam ter em seu poder 4 mil mulheres e 8 mil crianças estrangeiras em três campos de deslocados.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE