Pecuária

Pecuária

Fechar
PUBLICIDADE

Pecuária

Ideagri distribui Techmilk para gestão de pequenas fazendas de leite.

 
 -   / Vânia Coimbra.
/ Vânia Coimbra. / Vânia Coimbra.

A Ideagri, empresa mineira de desenvolvimento de sistemas, anunciou o programa “Proteger o leite é proteger a vida”, por meio do qual distribuirá, sem custos, mil licenças do software de gestão agropecuária básico Techmilk, desenvolvido para o uso de pequenos produtores de leite com fazendas de até 200 animais no rebanho. A gratuidade de uso do sistema vai até o dia 31 de dezembro de 2020. Para ter acesso ao software, os produtores interessados devem fazer um pré-cadastro no site www.techmilk.com.br.

“Os pequenos produtores já encontram certa dificuldade no dia a dia de seus negócios e experimentarão um aumento da incerteza nos próximos meses em função dos impactos do novo coronavírus”, explica Heloise Duarte, CEO da Ideagri. “Ao disponibilizar um sistema de gestão a essas fazendas, ajudaremos a proteger parte importante da cadeia alimentar do Brasil, o que é um fator de segurança e de bem-estar da população, porque proteger o leite é proteger a vida”, explica ela.

O Techmilk possui um conjunto básico de rotinas de reprodução, produção, sanidade e recria, com 12 relatórios de gestão que ajudam o produtor rural a controlar sua fazenda. “Com esses dados é possível administrar a propriedade e o rebanho de forma controlada e realista”, afirma Heloise Duarte. O Ideagri incluirá no Techmilk um módulo de controle financeiro, que estará disponível na primeira atualização do software, prevista para agosto. “Será um controle de receitas e despesas para o produtor entender se está ganhando ou perdendo dinheiro”, diz ela.

A opção da gratuidade ajudará os produtores em um momento de dificuldade e a adoção de um software de gestão significará uma evolução para muitas propriedades. “Muita gente ainda realiza seus controles com planilhas e outros sistemas obsoletos ou superficiais que os impedem de enxergar seus verdadeiros gargalos produtivos” explica Fabio Teixeira, CTO da Ideagri. “Com o Techmilk, o usuário pode notar uma melhora consistente na qualidade de informação porque o sistema traz índices claros e fáceis de consultar”, explica Teixeira. “Por ser mais simples, ele pode ajudar aqueles que têm resistência em aderir a um sistema de gestão”, opina ele.

A falta de dados leva os gestores a tomar decisões intuitivas que nem sempre dão certo, complementa Heloise Duarte. “Sem um mínimo de gestão, muitas fazendas de leite terão grandes dificuldades para continuar produzindo”, explica a CEO do Ideagri. “Um software simples e gratuito é um grande passo para a sustentabilidade das fazendas e pode servir de base também para um movimento de modernização da base da cadeia produtiva, o que seria excelente para o setor como um todo”, diz ela.

Com o Techmilk, o usuário também terá acesso ao boletim do Índice Ideagri do Leite Brasileiro (IILB), que traz análises comparativas de produção de leite por região e tipo de rebanho. “O pequeno produtor poderá fazer comparações de seu desempenho com o de fazendas com o mesmo perfil de gado de sua propriedade”, explica Heloise Duarte. “Avaliando esses diferenciais, ele saberá de forma mais precisa onde e como deve melhorar.”

“Não precisa ser grande para ser produtivo”

O pequeno produtor de leite precisa estar atento, hoje mais do que nunca, afirma Heloise Duarte. “Até agora, os impactos do coronavírus têm sido moderados no agronegócio, mas ninguém pode prever o que acontecerá nos próximos meses”, diz ela. “Se houver retração no consumo de leite por conta das prováveis dificuldades econômicas que enfrentaremos, quem vai sofrer mais será o pequeno produtor.” Dessa constatação nasceu a campanha “Proteger o leite é proteger a vida”.

Ela lembra, ainda, que oCenso Agropecuário do IBGE já vem indicando uma diminuição do número de produtores do setor. “Em 11 anos, entre 2006 e 2017, cerca de 175 mil fazendas saíram do negócio do leite, uma queda de 13%”, comenta a CEO da Ideagri. Ela aponta que 22% das fazendas que desapareceram tinham até 5 hectares. “A concentração da produção leiteira é uma tendência no mundo todo, mas as fazendas pequenas têm condições de continuarem produtivas e isso passa pela gestão profissionalizada baseada em dados”, diz Heloise Duarte.

Ela rechaça a ideia de que fazendas menores não conseguem competir no mercado. Pequenas fazendas que adotam a gestão moderna com base em números alcançam índices de produtividade muito relevantes. “No último boletim do IILB qual vimos que as fazendas de até 100 vacas obtiveram índice igual aos das propriedades com mais de 300 animais”. O IILB é calculado a partir dos dados de quase mil fazendas de leite que usam o software de gestão Ideagri.

“A escala da produção pode ser vantajosa, especialmente no Brasil, onde enfrentamos grandes desafios logísticos, mas com a gestão da fazenda é possível conquistar eficiência produtiva, reprodutiva, sanitária e econômica na atividade leiteira, independentemente do tamanho do rebanho”, conclui a CEO da Ideagri.

 

 


PUBLICIDADE

Mais Lidas em Pecuária

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE