Pecuária

Pecuária

Fechar
PUBLICIDADE

Pecuária

Chuvas influenciam infestação de carrapatos em rebanhos bovinos.

 
 -   /
/ /

“Tudo que esse parasita precisa é de calor e umidade para se proliferar. Durante a estiagem, que normalmente começa em maio e finaliza em outubro, seus ovos podem estar no solo apenas esperando a chuva chegar para as larvas eclodirem”, informa Guilherme Moura, gerente de serviços veterinários da área grandes animais da Vetoquinol, empresa top 10 em saúde animal no mundo.

Para o especialista, a melhor forma de combater o carrapato é agir antes dos meses mais chuvosos. “É claro que, se o pecuarista notar que o gado está sofrendo com esse terrível parasita, deverá fazer uso do programa de controle supressivo para minimizar a infestação nos animais no ambiente, independentemente da época”, orienta.

A infestação dos carrapatos nos animais promovem grandes prejuízos. Do ponto de vista econômico, a perda na pecuária supera R$ 12 bilhões por ano, segundo a Embrapa Gado de Corte. Esses parasitas são cada vez mais resistentes, o que dificulta o tratamento, e ainda possibilita graves problemas de saúde nos bovinos, como a Tristeza Parasitária Bovina (TPB), nome que se dá para o complexo sintomático das enfermidades transmitidas pelo carrapato, babesiose e anaplasmose.

Combate ao carrapato: A Vetoquinol Saúde Animal dispõe de soluções modernas e eficazes para o controle da infestação e manutenção do gado limpo e protegido contra os carrapatos, como o ectoparasiticida Fiprotack. Trata-se de uma tecnologia de alta performance com dupla ação no controle do carrapato. "É dupla ação porque mata e seca os carrapatos presentes no animal e também inibe o desenvolvimento das formas jovens que saem da pastagem e sobem no rebanho", informa.

O Fiprotack é um carrapaticida pour-on com formulação sinérgica exclusiva de Fipronil associado ao Fluazuron, ambos em alta concentração para o controle efetivo do carrapato e com a vantagem de um baixo período de carência para o abate (29 dias). A solução possui benefícios do ponto de vista econômico, pois o pecuarista controla o carrapato no animal e com o programa estratégico diminui a infestação na pastagem, e também do ponto de vista de bem-estar animal e saúde pública. Afinal, a aplicação é de fácil manejo, os animais ficam protegidos e livres dos carrapatos por mais tempo e o baixo período de carência possibilita que a carne dos animais tratados chegue até a mesa do consumidor com mais segurança para o consumo", finaliza Guilherme Moura.

 

 

PUBLICIDADE

Mais Lidas em Pecuária

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE