Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Portos do Paraná adotam novas medidas de prevenção ao novo coronavírus.

 
 -   /
/ /

A Portos do Paraná publicou nesta quarta-feira (18) a Ordem de Serviço 064/2020, com medidas para evitar a entrada e disseminação da COVID-19 entre empregados e prestadores de serviço. As novas recomendações seguem o decreto 4230, do Governo do Estado, e demais orientações do Ministério da Saúde e Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Adotamos ações importantes de enfrentamento dessa emergência de saúde pública, de importância internacional, decorrente do novo Coronavírus – COVID-19. Entendemos que a prevenção, neste momento, principalmente com o distanciamento social, é fundamental para este combate”, afirma o diretor-presidente da empresa pública, Luiz Fernando Garcia.

“As operações serão mantidas e não temos alterações nas atividades de embarque e desembarque de cargas. Nestes casos, as equipes envolvidas trabalharão em regime de escala, sem prejuízos à movimentação dos produtos”, destaca. Tanto as operações no mar, quanto a descarga por caminhões, seguem normalmente.

Funcionários do setor administrativo, ou cujas atividades sejam possíveis de trabalho remoto, terão a possibilidade de trabalhar em sistema de homeoffice, seguindo a determinação da diretoria executiva. Os serviços considerados essenciais deverão manter quantitativo mínimo de servidores em sistema de rodízio, através de escalas diferenciadas e adoção de horários alternativos, estabelecidos por cada Diretoria e comunicado ao diretor-presidente.

Foi criado um comitê multisetorial que ficará responsável em acompanhar a evolução da doença, no país e no mundo. Formado por uma equipe representada por todas as diretorias, o grupo também vai analisar e propor, permanentemente, novas medidas de proteção que se façam necessárias nos portos do Paraná.

TRABALHADORES – De imediato, todas as viagens estão suspensas, assim como os eventos, treinamentos, reuniões presenciais e simulados de emergência com mais de dez pessoas. Auditorias, visitas técnicas e quaisquer outras visitas à faixa portuária e instalações de empresas também estão suspensas.

Dentro da viabilidade técnica e operacional de cada setor, os atendimentos presenciais ficam interrompidas. Protocolos de documentos, cadastramento de empresas, funcionários e serviços, bem como quaisquer outras consultas ligadas as atividades portuárias, deverão ser realizadas prioritariamente via e-mail e/ou telefone. Os responsáveis pelas empresas deverão comparecer nos setores somente quando solicitados.

VIAJANTES – Aos colaboradores que retornaram de viagens ao exterior em férias ou a trabalho deverão atuar em trabalho remoto (conforme escala de trabalho), para observação, por no mínimo 14 dias. Assim como colaboradores que convivem diretamente, na mesma residência, com pessoas nessa situação.

Colaboradores da mesma equipe que tiveram contato com pessoas que se enquadram como caso suspeito, deverão ser direcionados para trabalho remoto até a apresentação de atestado médico no prazo de 48 horas, via e-mail à Seção de Assistência Médica e Social (Seames).

ACESSO - O controle de acesso biométrico as áreas alfandegadas estarão dispensados, temporariamente, conforme autorização dos órgãos da Delegacia da Receita Federal e Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos (CESPORTOS). Permanece, porém, a obrigatoriedade da apresentação de crachá, validação no sistema de controle de acesso e, ainda, documento de identidade pessoal válido no território nacional para o controle de acesso físico, sujeito a conferência pessoal pela UASP/GUAPOR, a qualquer momento.

A Portos do Paraná também vai flexibilizar os horários de entrada e saída das jornadas de trabalho, analisando a possibilidade de antecipar ou prorrogar estes horários, com objetivo de evitar aglomerações de pessoas nos locais de acesso às dependências do Porto, ficando a critério de cada Diretoria.

Todas essas ações serão recomendados às empresas terceirizadas, operadoras, prestadoras de serviço e demais que atuam nos portos do Paraná.

Exceções às determinações desta Ordem de Serviço deverão ser submetidas ao Comitê de Contingências COVID-19 para avaliação. Dúvidas, consultas e contribuições devem ser encaminhadas para a Ouvidoria nos seguintes canais: 0800 41 1133 e ouvidoria.appa@appa.pr.gov.br.

CUIDADOS – A empresa reforça as medidas importantes que os trabalhadores devem seguir para prevenir qualquer a infecção: Lavar as mãos da maneira correta e com frequência; evitar tocar no nariz, olhos e boca; manter as janelas e portas dos ambientes abertas para circulação de ar; e tomar os devidos cuidados para evitar contágio em ambientes públicos.

Ordem de serviço que trata do protocolo operacional foi atualizada

Desde janeiro, a Portos do Paraná vem adotando medidas preventivas, principalmente de informação e orientação em relação ao novo vírus. Cartazes em três idiomas (Português, Inglês e Chinês) foram espalhados por todas as áreas do porto e compartilhado com a comunidade pelas mídias digitais, com informações básica de saúde e higiene.

Os Portos de Paranaguá e Antonina também adotam, desde o início do ano, medidas de limpeza e higienização dos acessos e ficou estabelecido um protocolo diferenciado para embarcações e tripulantes.

A Ordem de Serviço 050/2020 foi revogada. As questões tratadas lá passaram por revisão e entraram nesta nova OS 064, publicada hoje. As exigências aos navios seguem orientações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Uma das novas medidas é aplicada aos trabalhadores responsáveis pelo credenciamento, scanner de bagagens, portaria e vigilância, incluindo os Agentes de Segurança Portuária da Unidade Administrativa de Segurança Portuária (UASP). Esses deverão utilizar máscaras de proteção respiratória em tempo integral. Aos demais trabalhadores que acessam as áreas alfandegadas o uso da máscara segue recomendado.

A necessidade de higienização intensa das mãos, após contato, segue valendo. Por isso, a Portos do Paraná disponibiliza álcool 70% nesses acessos e recomenda às demais empresas que também o faça, assim como forneçam as máscaras para os seus.

As embarcações que tenham passado por países onde estejam noticiadas epidemias, com casos confirmados e notificados da COVID-2019, países que venham a ser definidos pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como locais de risco, deverão apresentar o certificado de livre prática emitido pela ANVISA além de cumprir um prazo mínimo de 14 dias do local de partida até a atracação nos Portos do Paraná.

As embarcações com tripulante(s) com suspeita do vírus deverão seguir rigorosamente as recomendações dos Boletins Epidemiológicos publicados pelo Ministério da Saúde e demais publicações que venham a compor os protocolos de atendimento estabelecidos pelos órgãos estaduais e federais de saúde e vigilância sanitária,  seguindo suas orientações, bem como os respectivos Planos de Controle e Contingência vigentes.

Em caso de haver alguma manifestação de sintomas suspeitos e necessidade de remoção para atendimento médico, o agente responsável antes de proceder com qualquer medida, deverá comunicar o fato formalmente a ANVISA, para que esta determine quais os protocolos de atendimento adequados deverão ser adotados.

Quanto ao asseio das áreas de acesso, a equipe de limpeza segue com os procedimentos de assepsia com álcool 70%.

NORMALIDADE – O diretor de operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, reforça que, até o momento, a movimentação segue normalmente. “Não vejo, hoje, diferença nenhuma na operação ou na movimentação dos portos. Continuamos operando normalmente. Temos aí um grande número de navios programados e esperados para carregar”, garante.

Com base na programação desta quarta-feira (18), os portos paranaenses têm 11 navios operando, sei programados, 20 aguardando para programação e 76 navios anunciados, esperados até abril. “Temos um horizonte de programação bem robusto, que nos deixa ter essa certeza de que, operacionalmente, os nossos portos operam normalmente, mas seguindo todos os protocolos preventivos”, completa.

Reuniões operacionais da Portos do Paraná passam a ser online

Seguindo o decreto estadual e a nova OS da empresa pública, a Diretoria de Operações da Portos do Paraná suspendeu as reuniões presenciais. A partir desta semana, os encontros já estão sendo realizados nos espaços virtuais, por Skype e grupos de Whasapp, com agências marítimas e operadores.

“É uma prevenção que, no nosso entendimento, é possível de se fazer, sem que comprometa o resultado. Estamos evitando o contato que, segundo as autoridades sanitárias, é o que deve ser evitado neste momento. Isso sem prejuízo às nossas operações”, afirma o diretor Luiz Teixeira da Silva Júnior.

Como explica o diretor, diariamente são realizadas pelo menos três reuniões com os usuários dos portos. Tem reunião geral de programação, que envolve todos os segmentos, de segunda à sábado; além de dois encontros para tratar da logística do Corredor de Exportação, também diários (de segunda a sexta); e o grupo que define as atracações e operações dos fertilizantes.

Esses encontros geram um fluxo de mais de cem pessoas pela diretoria. “Agentes e operadores comparecem em massa para tratar de seus interesses a serem programados pelo Porto. Isso continuará a ser feito, mas cada um em seu escritório”, diz Teixeira.

CORREDOR – Segundo Gilmar Francener, chefe da Divisão de Silos, para atender as operações do Corredor de Exportação, são realizadas a reunião de atracação, com quase 50 agentes, e outro encontro que define as cotas diárias de recebimento de cargas para descarga nos terminais (chamada de reunião Silog), que reúne entre 25 e 30 pessoas.

Francener reforça que a reunião está sendo online, via Skype, e que todos os agentes e operadores estão cientes e de acordo com a medida. “Levei esse assunto para a último reunião presencial e foi informado que a nossa ideia era reduzir esse contato social. Eles acharam a muito bom e muitos até disseram que esperavam uma ação nesse sentido, pois são muitas pessoas num mesmo espaço”, diz.

Como lembra o portuário, a Diretoria de Operações segue de portas abertas. “Se houver necessidade, e em casos de urgência, podem vir aqui e conversar com a gente, não tem problema. É só ligar, marcar um horário, que atendemos. O que puder ser feito por e-mail e telefone, faremos. É uma medida de prevenção que beneficia todos”, completa.

GERAL – De acordo com o chefe da divisão de operações, Maurício do Carmo, a reunião efetiva de atracação dos demais segmentos é realizada diariamente, de segunda a sábado, às 11h, com agentes, operadores, intervenientes e terminais.

“Em média, 25, 30 pessoas participam desse encontro que define a programação e utilização dos demais berços. Já a reunião de fertilizantes é realizada de acordo com a demanda, em média, duas vezes por semana, e chega a reunir de 50 a 55 pessoas”, afirma.

Essas reuniões também deixaram de ser presenciais. “Criamos grupos do Whatsapp, conseguimos reunir toda a comunidade portuária, e nos organizamos para tentar fazer tudo online a partir de agora. Cada um em seus ambientes, escritórios, estamos fazendo nossas reunião”, diz,

Toda comunidade portuária ficou de acordo com a medida. “Na questão da prevenção é só benefício. São menos pessoas reunidas nas salas e também reduzimos o acesso pelos gates e torniquetes. Diminuindo o fluxo de pessoas, reduzimos os riscos”, conclui.

* Com informação de Portos do Paraná

 

 

PUBLICIDADE

Mais Lidas em Agroindústria

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE