Energias Renováveis

Energias Renováveis

Fechar
PUBLICIDADE

Energias Renováveis

Ataque de gafanhotos é lembrete das mudanças climáticas.

 
 -   /
/ /

A mudança nos padrões ciclônicos no mar da Arábia está por trás das invasões de gafanhotos no leste da África, oeste e sul da Ásia, disseram especialistas. A praga de gafanhotos que atormenta as três regiões desde o ano passado fez com que o Paquistão e a Somália declarassem "emergências nacionais". 

O Paquistão declarou emergência em 2 de fevereiro de 2020, depois que enxames de gafanhotos colocaram em risco sua segurança alimentar. Seu primeiro-ministro, Imran Khan, realizou uma reunião naquele dia e dirigiu a formação a um comitê de alto nível chefiado pelo ministro da Segurança Nacional de Alimentos, Makhdoom Khusro Bakhtiar. 

O país perdeu 40% de suas colheitas de alimentos até dezembro de 2019, de acordo com relatos da mídia. Sua prioridade imediata é salvar suas culturas maduras de algodão dos insetos. O governo alega ter pulverizado pesticidas em cerca de 121.400 hectares, incluindo a pulverização aérea em mais de 20.000 hectares. 

Em maio de 2018, o ciclone Mekunu transformou partes do árido deserto de Rub 'al-Khali - que se estende pela Arábia Saudita, Omã, Emirados Árabes Unidos e Iêmen - em uma paisagem aquosa. A água da chuva caiu e se acumulou em diferentes partes do deserto, como Al Khareer, Thabltoun e Um al Malh, localizadas em um triângulo na fronteira entre Arábia Saudita, Iêmen e Omã. 

Isso criou condições favoráveis de reprodução para gafanhotos do deserto. Em outubro de 2018, a Península Arábica foi atingida pelo ciclone Luban, que criou condições mais favoráveis para os gafanhotos se reproduzirem. As comportas finalmente abriram em janeiro e fevereiro de 2019 e, durante esses dois meses, ambas as costas do Mar Vermelho - Eritreia, Djibuti e Somália, no lado africano, e Arábia Saudita e Iêmen, na Ásia, receberam boas chuvas.

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE