Pecuária

Pecuária

Fechar
PUBLICIDADE

Pecuária

Aplicativo móvel evita casos de acidose subclínica em rebanho leiteiro.

 
 -   /
/ /

Acidose subclínica é um distúrbio que afeta vacas em lactação e consequentemente, gera prejuízo ao produtor de leite. Foi pensando em sanar este tipo de problema que as marcas de nutrição animal do grupo ADM (Archer Daniels Midland Company), lançam o aplicativo “MyRumiDiag”, que auxilia na identificação do quadro da doença pelo formato e aparência física das fezes, por meio da bousologia (ou estudo do esterco). O lançamento oficial foi durante a Feira MegaLeite, em junho, pela marca Total Alimentos.

O gerente de produtos, Rodrigo Villalba, acredita que a plataforma irá suprir as necessidades de produtores e técnicos da pecuária leiteira brasileira e esclarece como funciona a ferramenta. “Até pouco tempo era necessário peneirar o esterco e observar os resíduos não digeridos. Esta prática, comum na criação de vacas, é chata e exige certo conhecimento técnico. O “MyRumiDiag” permite que você obtenha este indicador em um minuto, a partir de fotos tiradas do esterco (bousologia). Com isso, o produtor otimiza o seu tempo de trabalho, a qualidade de sua produção e o bem-estar dos seus animais”, explica Villalba.

No Brasil, o aplicativo é gratuito e pode ser baixado pelo Google Play e também pelo App Store, sendo muito simples e rápido de usar e, recentemente foi liberado também para Paraguai e Uruguai com gratuidade. Além de tirar fotos dos bolos fecais do rebanho, o produtor deve informar a presença ou não de grãos de milho e muco. Assim, as imagens são enviadas automaticamente para um servidor localizado na França e cada foto é analisada por inteligência artificial capaz de captar sinais típicos de risco de acidose subclínica que geralmente são imperceptíveis a olho nu. Quando conectado à internet o resultado é imediato e o produtor ou nutricionista podem tomar as medidas necessárias para a solução do problema. Caso não tenha internet no momento, as fotos podem ser tiradas e enviadas assim que estiver conectado.

Com o diagnóstico, é possível agir preventivamente de maneira que a produção do negócio não seja prejudicada. A acidose (clínica e subclínica) afeta vacas em lactação e que estão sob regime de dietas desequilibradas em carboidratos não fibrosos (CNF) como, por exemplo, o milho ou a falta de fibra efetiva - silagens excessivamente picadas ou mau cortadas. Esse desequilíbrio causa uma queda no pH ruminal e quando isso acontece alguns sinais aparecem no animal, entre eles, baixo consumo de matéria seca, diarreias metabólicas, muco nas fezes e, em casos mais agudos, fezes acompanhadas por sangue, o que reflete na queda da produção de leite.

Além disso, o “MyRumiDiag” pode ser usado regularmente para avaliar o impacto das mudanças nos alimentos na digestão de animais, sem manejo do esterco. Isso permite que o criador tenha um indicador prático e objetivo. O estudo do esterco é apenas um critério entre outros na avaliação do grau de acidose subclínica e por isso, em breve, a Total Alimentos oferecerá um diagnóstico completo de reprodução, combinando criador, técnico e ferramentas digitais.

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE