Pecuária

Pecuária

Fechar
PUBLICIDADE

Pecuária

Inimigo oculto na pecuária intensiva.

 
 -   /
/ /

Jundiaí, 09 de outubro de 2019 – Pouco se fala sobre o inimigo oculto presente na pecuária de corte intensiva nacional: as micotoxinas. Substâncias potencialmente tóxicas capazes de afetar sobremaneira o desempenho zootécnico afetando o ganho de peso e em casos extremos levar a óbito os animais contaminados.

De acordo com a Gerente Técnica da VLN Feed, Jane Gonçalves, este era um tema comumente debatido entre profissionais ligados ao segmento de monogástricos, contudo recentemente pesquisas demonstraram os impactos negativos causados pelas micotoxinas entre os ruminantes e seu efeito nocivo a saúde do rúmen. “Adicionalmente as perdas produtivas na pecuária intensiva, há também os danos econômicos gerados pela contaminação”, enaltece Jane Gonçalves que vai além: “Elas podem gerar perda do mercado consumidor e exportador, ou seja, atingem o setor como um todo.”

Ela salienta que a literatura aponta para mais de 400 tipos, sendo as mais comuns três cepas de fungos: Aspergillus spp, Fusarium spp e Penicillium spp. “Cada um desses fungos podem produzir vários tipos de micotoxinas, dentre os mais vistos na alimentação animal são: a aflatoxinas, ocratoxina, zearalenona, fumonisina e deoxinevalenol”, explica a especialista.

Inúmeros motivos levam a presença destas substâncias na alimentação animal, entre os principais fatores: o transporte de grãos, o armazenamento (silos), a compactação no momento de formar silagens ou a presença das substâncias em fenos. “A detoxicação dos compostos tóxicos produzidos pelos fungos nas matérias primas contaminadas pode ser de diversas formas, como por exemplo o tratamento térmico, irradiação, ozonização, extração por solvente, inativação química, acidificação ou o uso de produtos naturais como extratos herbais”, destaca.

Ela salienta que o uso de adsorventes de micotoxinas na dieta ou ração só ocorre quando não há mais possibilidade de detoxificar. “Estes aderem à micotoxina e impedem sua absorção no trato digestório, tornando-as inerte e não tóxicas para os animais. Há adsorventes inorgânicos e orgânicos, sendo os principais: silicatos, carvão ativado, produtos de clorofila e derivados de parede celular de levedura. No mercado há uma variedade à disposição, desde aqueles com a presença de um único componente ou misturas que variam suas inclusões e amplitudes de ação”, alinha Jane Gonçalves e considera que o ideal é a utilização de um adsorvente de amplo espectro. “Isso porque agirá em diversas micotoxinas e com isso eliminará os danos causados por elas”, reforça a Gerente Técnica da VLN Feed.

Neste sentido, visando oferecer uma solução tecnológica nutricional para os confinadores capaz de reduzir os impactos das micotoxicoses na pecuária intensiva foi que a VLN Feed desenvolveu um produto específico para o segmento. “O VLN Conf por exemplo é uma mistura de parede celular de levedura, bentonina e minerais quelatados de alta biodisponibilidade que melhoram o desempenho de animais confinados, diminuindo a ação das micotoxinas no trato digestivo”, informa Jane Gonçalves.

Recente pesquisa realizada pela zootecnista Letícia Custódio, mestre em ciência animal e pastagens e conservação de forragens pela Esalq-USP e doutoranda em zootecnia pela FCAV-Unesp e pela Apta, apontou que a perda de desempenho em ganho de peso por consequência da ingestão de alimentos contaminados pode ser de até 200 grama por dia. Ainda, segundo o estudo, animais que receberam rações com baixo índice de contaminação ganharam por dia 1,770 kg, enquanto animais que consumiram rações com contaminações mais elevadas o ganho diário foi de 1,510 kg.

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE