Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

PR: Jovem de Londrina conquista medalha de prata na WorldSkills, maior competição de profissões técnicas do mundo

Além de Leandro Ribeiro Moreira, que subiu ao pódio, Eduardo Felipe Benvegnir e Lucas Lanzi receberam certificados de excelência

 
 -   /
/ /
ÁUDIOTEXTO PARA RÁDIOFoto: Flickr CNIO paranaense Leandro Ribeiro Moreira conquistou a prata e foi um dos 13 medalhistas do Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões. O estudante de 23 anos, morador de Londrina, competiu na ocupação de Computação em Nuvem.

Formado em 2013 no curso de Técnico em Informática pelo SENAI, Moreira não teve uma trajetória só de alegrias na WorldSkills. Em 2017, não conseguiu se classificar para a edição que aconteceu em Abu Dhabi. A frustração, no entanto, virou motivação e trabalho em equipe.

Mesmo sem a sonhada vaga, o jovem paranaense começou a ajudar no treinamento dos competidores que disputariam o torneio naquele ano. Dois anos depois, a chance de participar da WorldSkills apareceu novamente e o estudante, dessa vez, passou pela seletiva e garantiu a vaga na categoria de Computação em Nuvem.
O esforço foi recompensado e lhe rendeu uma medalha de prata na edição de 2019, motivo de alegria para Leandro. “Foi algo incrível. Eu nunca tinha sentido algo assim na minha vida. Na hora que apareceu meu nome no telão, eu pensei em toda trajetória que segui até ali. Para mim é uma honra muito grande representar o SENAI e conseguir essa medalha”, contou ele.

Outros dois estudantes do Paraná foram premiados na WorldSkills 2019. Eduardo Felipe Benvegnir, de Cascavel, e Lucas Constancio Lanzi, de Curitiba, receberam certificados de excelência nas categorias de Tecnologia Automotiva e Redes de Cabeamento Estruturado, respectivamente. O reconhecimento é dado aos competidores que obtiveram nota acima da média na modalidade disputada.

O desempenho dos estudantes brasileiros repercutiu entre os parlamentares no Congresso Nacional. O senador Flavio Arns (REDE-PR) afirmou que o resultado alcançado pelos jovens demonstra que a formação técnica profissional é o caminho mais curto para inserção no mercado de trabalho.

“O ensino técnico é essencial, tem que ser valorizado e prestigiado no Brasil. É preciso articular o ensino médio com o ensino técnico, articular com a sociedade. Dessa forma, sem dúvida, vamos ajudar no desenvolvimento do Brasil”, pontuou.

Desempenho brasileiro

A delegação brasileira tem se estabelecido entre as equipes mais vitoriosas da WorldSkills. Foi a campeã na edição ocorrida em São Paulo, em 2015. Na edição de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em 2017, alcançou o segundo lugar. Em 2019, além das 13 medalhas, a delegação tupiniquim garantiu, ainda, 28 certificados de excelência, em 28 ocupações técnicas profissionais.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. O Brasil ficou em terceiro lugar na classificação geral. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, ficou em primeiro lugar. A Rússia, anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição.
 

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE