Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Primeira parada do Orgulho Gay em Sarajevo reúne mais de 2 mil

Evento na capital da Bósnia protestou neste domingo contra ódio e isolamento que atingem comunidade LGBT local; policiais protegeram manifestantes de ato contrário com 150 pessoas. País proíbe discriminação, mas não reconhece união entre pessoas do

 
 -   /
/ /

Mais de 2 mil pessoas desfilaram neste domingo (8) na 1ª Parada do Orgulho Gay de Sarajevo, capital da Bósnia-Herzegovina, para protestar "contra o ódio e o isolamento" que atingem a comunidade LGBT local.

Mais de 1.100 policiais bloquearam o centro da cidade horas antes do início do desfile, para proteger os manifestantes de um protesto contrário com 150 participantes.

Agitando bandeiras nas cores do arco-íris, membros da comunidade LGBT e simpatizantes de Sarajevo percorreram 1,5 km. O ponto de partida foi um monumento dedicado à libertação da cidade no fim da Segunda Guerra Mundial, e o trajeto terminou em frente ao Parlamento.

"Obrigada por terem marchado conosco hoje! Obrigada por, conosco, terem feito deste um momento histórico para a Bósnia!", agradeceu à multidão Dajna Bakic, uma das organizadoras do evento.

"Hoje, proclamamos com mais força do que antes que lutaremos com valentia e dignidade por nossas vidas libertadas do medo e da violência", declarou outra ativista, Lejla Huremovic. Seu companheiro, Branko Culibrk, desejou "uma sociedade em que nos oponhamos juntos à violência, ao ódio, ao isolamento e à homofobia".

Embaixadores de países ocidentais, como Estados Unidos, Itália e Grã-Bretanha, assistiram ao desfile.

Sarajevo era a única capital dos Bálcãs que ainda não havia organizado uma parada do Orgulho Gay. Em 2008 e 2014, islamitas radicais e opositores violentos agrediram participantes de um festival gay.

A Bósnia-Herzegovina, país de 3,5 milhões de habitantes, proíbe oficialmente qualquer discriminação baseada em orientação sexual, mas não reconhece a união entre pessoas do mesmo sexo. Alguns partidos políticos, representantes muçulmanos e associações muçulmanas se opuseram à realização do desfile. Mais de 80% dos 340 mil habitantes de Sarajevo são muçulmanos.

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE