Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Justiça rejeita segunda ação contra a suspensão do Parlamento britânico

Decisão do Alto Tribunal de Londres, porém, permite recurso à suprema corte. Justiça escocesa já havia rejeitado na quarta-feira ação semelhante.

 
 -   /
/ /

O Alto Tribunal de Londres rejeitou nesta sexta-feira (6) uma ação contra a decisão do primeiro-ministro, Boris Johnson, de suspender o Parlamento a partir da próxima semana e até 14 de outubro, duas semanas antes da data prevista para o Brexit.

O magistrado Ian Burnett autorizou, no entanto, um recurso para o caso na Suprema Corte em uma audiência que acontecerá em 17 de setembro.

A ação havia sido apresentada pela empresária e ativista anti-Brexit Gina Miller com o apoio de vários pesos pesados políticos - entre eles o ex-primeiro-ministro conservador John Major -, que consideram a suspensão parlamentaria uma manobra para amordaçar os opositores a um Brexit sem acordo.

"Minha equipe legal e eu não abandonaremos a luta pela democracia. Abandonar agora seria faltar com o nosso dever", afirmou Miller, que em 2017 venceu uma importante batalha judicial sobre o Brexit contra o governo de Theresa May.

Um juiz escocês já havia rejeitado na quarta-feira (4) um caso similar por considerar que a decisão de Johnson faz parte do "domínio da política e não pode ser avaliada com critérios legais, apenas políticos".

Uma terceira demanda contra a suspensão parlamentar, apresentada na Irlanda do Norte, ainda será examinada.

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE