Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

Com indie pop feliz, Of Monsters and Men tira trilha de '''Bohemian Rapsody''' do topo após 41 semanas

Vocalista da banda islandesa fala ao G1 sobre álbum que lidera ranking da Billboard de discos de rock: A gente tentou captar conselhos despreocupados e a felicidade do primeiro álbum .

 
 -   /
/ /

Ragnar "Raggi" Þórhallsson usou mais de dez vezes a expressão "feliz" e suas derivações para falar de "Fever Dream", o novo disco da Of Monsters and Men. Na entrevista ao G1, o vocalista da banda islandesa parece bem animado. Mesmo.

E isso foi antes de "Fever Dream" chegar o topo da Billboard no ranking de álbuns de rock, na semana passada. O disco tirou a trilha de "Bohemian Rapsody" após 41 semanas no primeiro lugar.

Raggi diz que gosta tanto de estar em turnê que garante: dorme melhor no ônibus do que em casa. Mas logo muda de ideia, rindo: "Talvez eu precise comprar uma cama mais confortável."

Liderado por Raggi e Nanna Bryndís Hilmarsdóttir, o quinteto apresentou o terceiro disco no final de julho, com uma sonoridade mais pop. O som faz lembrar o maior hit da banda, "Little Talks".

Pela primeira vez, as canções foram feitas no computador de Raggi e Nanna, logo após o fim da última turnê em 2016.

"A gente tentou captar os conselhos despreocupados e a felicidade do primeiro álbum. A meta era fazer algo que parecesse divertido para nós", conta o vocalista.

"É tão divertido ficar nervoso para tocar uma música nova… Depois você toca as antigas, sente que é fácil, mas é bom saber que algo pode te desafiar. É diferente, mas muito divertido."

Pressão por uma nova "Little Talks"?

É com muita tranquilidade que Raggi fala sobre o maior sucesso da banda. Lançado em 2012, ele tem mais de 273 milhões de views no YouTube. "'Little Talks' é apenas uma música na hora certa, no lugar certo. Era o que as pessoas queriam ouvir naquele momento."

"É difícil escrever uma música esperando que ela vá tão longe, mas é sempre uma boa surpresa quando acontece. Só não acho que temos como prever isso".

Nanna já andou dizendo que uma das metas da banda é não se repetir. O que vai ficando cada vez mais complicado após quase 10 anos de banda. Como, então, fazer isso?

"Se você está escrevendo e parece chato, ao invés de empolgante, você pode estar se repetindo. Tem que ser excitante para você", conta o cantor."Se parece que você está fazendo isso por outra pessoa ou porque funcionou no passado fica chato…", afirma.

"Você consegue ouvir o pop do primeiro álbum sendo desenvolvido", afirma. "Não é totalmente novo, mas é novo o suficiente para nós."

Raggi diz que suas letras são como uma "documentação" do que aconteceu na vida dele nos últimos três ou quatro anos:

"Quanto mais você escreve música, mais você fica confortável em compartilhar mais e mais." Ele define o novo álbum como "muito honesto e sincero”.

Lolla pela terceira vez?

Neste semestre, a banda vai fazer shows na América do Norte, Europa e Oceania. Nada de Brasil por enquanto, mas Raggi fala que eles querem muito fazer outros shows aqui.

"Quando estávamos nesse intervalo entre discos recebemos tantas mensagens do Brasil… Definitivamente queremos voltar, porque sentimos o amor vindo daí", conta.

Ele diz que o público brasileiro foi um dos melhores que a banda já tocou. Depois de duas apresentações em Lollapalooza, em 2012 e 2016, Raggi se diz pronto para a terceira: "Não há nada certo, mas se nos convidarem para tocar novamente, nós vamos amar."

"Fever Dream", da Of Monsters and Men, assumiu o topo da lista da Billboard de "Top Rock Album" na sexta (9) — Foto: Divulgação "Fever Dream", da Of Monsters and Men, assumiu o topo da lista da Billboard de "Top Rock Album" na sexta (9) — Foto: Divulgação

"Fever Dream", da Of Monsters and Men, assumiu o topo da lista da Billboard de "Top Rock Album" na sexta (9) — Foto: Divulgação

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE