Agroindústria

Agroindústria

Fechar
PUBLICIDADE

Agroindústria

Barco humanitário resgata 44 migrantes na costa da Líbia

Os migrantes procedem da Síria, Líbia, Paquistão, Bangladesh e Guiné. Entre os resgatados estão quatro mulheres e três crianças: um bebê de 15 meses e duas crianças de três e cinco anos.

 
 -   /
/ /

O barco humanitário "Alan Kurdi" resgatou 44 pessoas no Mar Mediterrâneo, incluindo mulheres e crianças, anunciou nesta terça-feira (9) a ONG alemã Sea-Eye.

Malta aceitou receber os migrantes e enviou um barco para a viagem, indicou a Sea-Eye em um comunicado.

A ONG afirmou que pescadores tunisianos e o avião de busca civil "Colibri" alertaram para a presença dos migrantes em perigo no mar, na costa da Líbia.

As autoridades de Malta solicitaram a um cargueiro que estava na região para coordenar o resgate e este pediu ao "Alan Kurdi" que ajudasse as pessoas em perigo.

"Quarenta e quatro pessoas, incluindo quatro mulheres e três crianças, foram levadas a bordo do 'Alan Kurdi'", afirmou a Sea-Eye.

Entre os menores de idade estavam um bebê de 15 meses e duas crianças de três e cinco anos. Os migrantes procedem da Síria, Líbia, Paquistão, Bangladesh e Guiné.

Os migrantes resgatados afirmaram que deixaram a cidade líbia de Zuwara na manhã de sábado.

"Estamos incrivelmente felizes por estar no local certo, no momento adequado, e que agora outras 44 pessoas estão a salvo. Um bebê de 15 meses nunca deveria estar em uma situação tão perigosa", declarou a porta-voz da Sea-Eye, Carlotta Weibl.

Na semana passada, o "Alan Kurdi" resgatou 65 migrantes após um naufrágio durante a perigosa travessia a partir do norte da África.

O barco estava em águas internacionais, perto da ilha italiana de Lampedusa.

Após a decisão do ministro italiano do Interior de extrema-direita, Matteo Salvini, de manter fechados os portos aos barcos humanitário, o "Alan Kurdi" seguiu para Malta.

Alan Kurdi

O nome do barco, 'Alan Kurdi', é uma homenagem ao menino sírio que apareceu morto em uma praia da ilha de Kos, na Grécia, em 2015. A imagem do corpo do garoto na praia se tornou ícone na crise migratória.

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE