Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

POLÍCIA

Acusado de arrecadar e distribuir prêmios do jogo do bicho se entrega à Polícia de MT

 
Mais um alvo da Operação Mantus, deflagrada pela Polícia Judiciária Civil (PJC) no último dia 29, se apresentou à polícia nesta manhã de terça-feira (11). Trata-se de Ronaldo Guilherme Lisboa dos Santos, apontado por integrar a organização Ello-FMC, cujo líder seria o empresário Frederico Müller Coutinho.

Segundo as investigações, Ronaldo era responsável por realizar a coleta de valores arrecadados e proceder o pagamento de prêmios por meio do jogo do bicho. “O investigado Ronaldo Guilherme Lisboa dos Santos exerce a função de recolhedor na organização criminosa, isto é, é responsável pela coleta dos valores arrecadados com a contravenção, bem assim, como o pagamento dos prêmios. É o que se conclui do diálogo interceptado no dia 07/07/2018, no qual o supervisor “Alex” asseverou que pagou R$ 4.400,00”, diz trecho da decisão que autorizou o cumprimento de mandados de prisão e busca e apreensão.

Sobre sua função, os investigadores também apontaram que o nome de Ronaldo na agenda telefônica de smartphones apreendidos era armazenado como “Ronaldo Coleta”.

Além disso, a decisão judicial que autorizou o cumprimento dos mandados também aponta que foram coletadas mensagens entre Alex e Ronaldo, onde os dois tratam da promoção de uma TV de 32 polegadas

A Operação Mantus foi deflagrada pela PJC no dia 29, para desbaratar esquema de jogatina do Jogo do Bicho. Na ocasião, os policiais desarticularam duas organizações que teriam articulações em todo o Mato Grosso. Uma seria comandada por João Arcanjo Ribeiro, a Colibri, e a outra por Frederico Müller Coutinho, a Ello-FMC.

No último ano, segundo as investigações, os dois grupos teriam movimentado o montante de R$ 20 milhões, por meio de transações bancárias. As duas organizações, segundo os investigadores, chegavam a disputar o território acirradamente, sendo registrado confrontos entre elas, incluindo sequestro de um funcionário da Ello-FMC por parte de “capangas” da Colibri.

No total, os policiais cumpriram o total de 63 ordens judiciais, sendo 33 mandados de prisão e 30 de busca e apreensão. Todavia, nem todos os mandados de prisão foram cumpridos no dia da operação. Entre os detidos estavam, além de Arcanjo e Coutinho, o genro do primeiro, Giovanni Zem Rodrigues.

Na última sexta-feira, a Polícia Civil indiciou 33 acusados de operarem o esquema de jogo de bicho. O documento foi enviado ao Ministério Público Estadual para oferecer denúncia.


folha max

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE