Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

Isabelle Huppert mata, dança e se diverte no suspense '''Obsessão''': '''Papel mais insano da carreira'''

Personagem tortura Chloe Grace Moretz no suspense de Neil Jordan. Atriz francesa já indicada ao Oscar fala ao G1 sobre filme que estreia nesta quinta-feira 13 no Brasil.

 
 -   /
/ /

Isabelle Huppert já fez mais de 120 filmes, ganhou Cannes e Globo de Ouro, e foi indicada ao Oscar em 2017, mas escolhe papéis sem pensar em premiações. Após a indicação, aceitou o convite para viver uma viúva graciosa que se converte em psicopata cínica em “Obsessão”, suspense meio B do diretor Neil Jordan.

Greta, a personagem de Huppert que dá nome à versão original do filme, tem momentos únicos: ela saltita com uma arma nas mãos, dança sapateado enquanto orquestra vilanias e costura um ferimento nos dedos com a graça de quem borda à espera de um filho.

"É o papel mais insano da minha carreira. Ele navega entre horror e comédia às vezes, é a mesma atmosfera dos filmes de Daniel Argento [‘Suspiria’], muito interessante”, conta a atriz francesa em entrevista ao G1.

Trailer de 'Obsessão

Trailer de 'Obsessão'

Acostumada a papéis com trabalho psicológico intenso, como a executiva estuprada que busca vingança em “Elle”, ela conta que se divertiu com uma personagem “puramente psicopata”. Por isso, após matar uma de suas vítimas no filme, simplesmente dançou.

“Eu não me preparo para os personagens porque acho que nunca se faz nada antes. Apenas vivo o momento”, diz.

Com o mesmo sotaque francês simpático, ela é direta, e às vezes seca, nas respostas. A fama entre os entrevistadores ao redor do mundo é de ser uma pessoa difícil.

No filme, Greta é uma mulher sozinha. Perdeu marido, perdeu filha. E por diversas vezes evoca a tristeza da solidão para pedir piedade de sua vítima. Desta vez, a vítima é a garçonete Frances, interpretada por Chloe Grace Moretz, ainda sofrendo a perda da mãe.

Huppert garante que não é um filme sociológico. “A solidão é o começo de uma explicação para a monstruosidade dela. Mas ela é louca, totalmente diferente de tudo eu já vivi na vida”, explica.

Greta é um filme majoritariamente feminino: uma vilã, uma vítima, uma heroína e homens relativamente inúteis no processo. Huppert não responde se acha que papéis femininos estão mais aprofundados hoje, mas diz que se sente “sortuda” por ter interpretado personagens interessantes ao longo da carreira. Em 2018, ela se posicionou a favor do movimento #MeToo, de atrizes em busca de igualdade na indústria cinematográfica.

Além da longa carreira no cinema, também se dedica ao teatro. Apenas em 2019, tem quatro filmes estreando e ainda estrela um peça em Paris. “Não me considero workaholic, apenas faço o que gosto”. Quando digo que a impressão, para quem é de fora da França, é que faz muitos filmes, ela ri comedida. "É o mesmo no meu país."

‘Tem que lutar para fazer filmes interessantes na França’

'Elle' é estrelado por Isabelle Huppert — Foto: Divulgação 'Elle' é estrelado por Isabelle Huppert — Foto: Divulgação

'Elle' é estrelado por Isabelle Huppert — Foto: Divulgação

A atriz já veio ao Brasil divulgar o Festival Varilux de Cinema Francês. Digo a ela que o festival está novamente em cartaz no país, até 19 de junho. E ela lamenta a produção da cinematográfica atual na França.

“Está ficando cada vez mais difícil, você sempre tem que lutar para fazer filmes interessantes acontecerem, essa é a pensamento comum por lá. Tem um certo tipo de filme, comédia, que vai melhor.. Um material com mais ambição e é mais difícil de ser feito”, conta.

De Porto Alegre a Kleber Mendonça Filho

A atriz se apresentou no Brasil em 2003 com a peça "4.48 Psychose", em São Paulo; e em 2009, com a montagem de “Quartett” em Porto Alegre. Ela lembra com carinho até hoje. “O teatro de Porto Alegre é um dos mais bonitos que já vi, foi tudo maravilhoso”, diz.

Mas do que gosta mesmo do país é o cinema de Kleber Mendonça Filho. “Eu gosto muito do seu estilo. Aquele filme com a Sônia Braga [‘Aquarius’] é excelente. Ele estava em Cannes, mas eu não tive a oportunidade de ver seu novo filme [‘Bacurau’], estou muito ansiosa para a estreia em Paris.”


Quer comprar um apartamento num dos centros de Goiânia?

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE