Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Monumentos inusitados pelo mundo celebram teclado, bitcoins, sanduíche e até disco voador

Da Rússia ao Brasil, esculturas fogem do óbvio não só no estilo – que muitas vezes passa longe do tradicional busto de bronze – mas também no conteúdo.

 
 -   /
/ /

O sistema pode ser impalpável e funcionar na nuvem, mas seu monumento, inaugurado no ano passado, é sólido e consistente. Três toneladas de metal foram necessárias para a construção da escultura à criptomoeda Bitcoin em uma rotatória na cidade de Kranj, interior da Eslovênia.

Criada pelos artistas Selman ?orovi? e Aleksander Fran?eškin, a obra tem cerca de sete metros de diâmetro e, de acordo com a administração municipal, trata-se do primeiro monumento público dedicado à cultura da criptomoeda em todo o mundo. Conforme declarou na inauguração o prefeito de Kranj, Bostjan Trilar, a escolha do design da rotatória, com o símbolo B da criptomoeda ao centro, foi feita pelos próprios cidadãos por meio da página da prefeitura no Facebook.

Monumento em homenagem ao bitcoin na cidade de Kranj, norte da Eslovênia — Foto: Edison Veiga / BBC Monumento em homenagem ao bitcoin na cidade de Kranj, norte da Eslovênia — Foto: Edison Veiga / BBC

Monumento em homenagem ao bitcoin na cidade de Kranj, norte da Eslovênia — Foto: Edison Veiga / BBC

A instalação foi bancada por duas empresas do ramo. "Kranj tem muitas empresas de tecnologia", ressaltou Trilar. Em comunicado à imprensa, a prefeitura afirmou que, com a obra, pretende "enviar uma mensagem ao mundo, enfatizando a abertura à digitalização, a suscetibilidade do uso de novas tecnologias e a hospitalidade em relação ao pensamento progressista".

Se um monumento assim soa estranho, parece cada vez mais comum que esculturas ao redor do mundo fujam do óbvio busto de bronze em homenagem a algum herói ou autoridade. A BBC News Brasil preparou uma seleção de esculturas curiosas, no Brasil e no mundo.

Monumento ao teclado

A pitoresca atração da cidade de Ecaterimburgo, na Rússia, é uma escultura ao ar livre com o teclado QWERTY/JCUKEN – teclado de computador IBM compatível com o alfabeto cirílico. De autoria do artista russo Anatoly Vyatkin, foi executada em 2005. São 104 teclas de concreto. A mais pesada é a barra de espaços – que pesa 450 quilos. As demais pesam 80 quilos cada. A obra ocupa uma área de 16 metros por 4 metros.

O local virou cenário de eventos cult. Na última sexta-feira de julho ocorre ali o SysAdmin Day, uma esquisita competição de arremesso à distância de mouses velhos.

O teclado gigante em Ecaterimburgo, na Rússia, virou palco de uma pitoresca competição de arremesso à distância de mouses velhos — Foto: Mariana Veiga / BBC O teclado gigante em Ecaterimburgo, na Rússia, virou palco de uma pitoresca competição de arremesso à distância de mouses velhos — Foto: Mariana Veiga / BBC

O teclado gigante em Ecaterimburgo, na Rússia, virou palco de uma pitoresca competição de arremesso à distância de mouses velhos — Foto: Mariana Veiga / BBC

Homem enterrado

O escultor norte-americano Seward Johnson é o autor de Il Risveglio, uma obra que representa um enorme titã que desperta do terreno onde foi sepultado. Ele criou a primeira versão da gigantesca obra em 1980, e a fez instalar em Washington, capital dos Estados Unidos. Esta obra acabou transferida, em 2008, para o Porto de Maryland, também nos Estados Unidos.

Uma cópia da escultura, criada pelo mesmo artista, foi feita e oferecida à Itália em 2009. Primeiramente, foi instalada em Siracusa. Em seguida, transferiu-se para Roma. Desde 2011, está instalada na histórica cidade de Viterbo.

Cópia da escultura de Johnson na cidade de Viterbo — Foto: Mariana Veiga / BBC Cópia da escultura de Johnson na cidade de Viterbo — Foto: Mariana Veiga / BBC

Cópia da escultura de Johnson na cidade de Viterbo — Foto: Mariana Veiga / BBC

Caixa-d'água, disco-voador

Quem não se lembra do ET de Varginha, uma das mais populares lendas urbanas brasileiras dos anos 1990? Em janeiro de 1996, a cidade do interior de Minas ganhou o noticiário nacional porque duas irmãs e uma amiga teriam supostamente visto uma criatura humanoide – a qual classificaram como uma alienígena.

De acordo com os relatos, a criatura seria um bípede de pouco mais de 1 metro e meio de altura, cabeça grande corpo muito fino, pés em forma de V, pele marrom e grandes olhos vermelhos.

Em 2001, a cidade ganhou um monumento para eternizar a história. Na realidade, a caixa-d'água local, com capacidade para 100 mil litros e elevada a 12 metros de altura, foi remodelada externamente e ficou com a aparência de um disco-voador.

Monumento em Varginha eterniza caso do ET, com caixa d'água em forma de disco voador — Foto: Tânia Correa/ Agência Minas / Governo do Estado de Minas Gerais Monumento em Varginha eterniza caso do ET, com caixa d'água em forma de disco voador — Foto: Tânia Correa/ Agência Minas / Governo do Estado de Minas Gerais

Monumento em Varginha eterniza caso do ET, com caixa d'água em forma de disco voador — Foto: Tânia Correa/ Agência Minas / Governo do Estado de Minas Gerais

Cavalo prateado

Fica a cerca de uma hora de Ulan Bator, a capital da Mongólia, aquela que é considerada a maior estátua equestre do mundo – com 40 metros de altura. É obra do escultor mongol D Erdenebileg e se trata de uma homenagem ao guerreiro Genghis Khan (1162-1227). De acordo com a lenda, foi ali que o conquistador teria encontrado um chicote de ouro.

Dentro do complexo, funciona um museu. De elevador, é possível subir ao topo da escultura e, de lá, apreciar a vista das estepes da região. A construção do complexo custou US$ 4,1 milhões – investimento bancado por uma empresa do país.

Estátua de Genghis Khan no interior da Mongólia custou US$ 4,1 milhões — Foto: Mariana Veiga / BBC Estátua de Genghis Khan no interior da Mongólia custou US$ 4,1 milhões — Foto: Mariana Veiga / BBC

Estátua de Genghis Khan no interior da Mongólia custou US$ 4,1 milhões — Foto: Mariana Veiga / BBC

Bauruzinho

Então estudante na capital paulista, o bauruense Casimiro Pinto Neto (1914-1983) inventou, em uma noitada, aquele que se tornaria o mais famoso sanduíche do país: o bauru, nome alusivo à sua cidade de origem.

O município do interior paulista decidiu que era hora de render homenagem à fama decorrente do lanche. Em 2008, uma escultura de fibra de vidro com quase 2 metros de altura trazia um sanduíche humanoide de braços abertos para um parque público da cidade: era o bauruzinho, desenhado pelo ilustrador Adelmo Barreira.

Cidade paulista de Bauru tem monumento do Bauruzinho — Foto: Carlos Hinke/ Machine Cult Cidade paulista de Bauru tem monumento do Bauruzinho — Foto: Carlos Hinke/ Machine Cult

Cidade paulista de Bauru tem monumento do Bauruzinho — Foto: Carlos Hinke/ Machine Cult

Para muitos, um tanto escalafobético, o bauruzinho estilizado caiu nas graças da população. Mas nem tudo são picles em sua vida: ele já foi alvo de vandalismo e, numa das histórias mais épicas, foi sequestrado por universitários e levados para uma república estudantil de Bauru.

Recuperada, a obra foi restaurada e instalada em seu local definitivo, no terminal rodoviário da cidade.

O homem preso na muralha

A curiosa escultura Le Passe-muraille atrai a atenção de turistas no bairro de Montmatre em Paris. Obra do ator e escultor Jean Marais (1913-1998), foi instalada ali em 1989.

É a representação do personagem Dutilleul, protagonista do romance Le Passe-muraille, do escritor Marcel Aymé (1902-1967). No enredo – atenção: contém spoiler! –, Dutilleul tem o poder de atravessar paredes. Quando ele se apaixona por uma mulher casada e usa essa facilidade para se encontrar com ela, acaba surpreendido pelo marido ciumento e, por fim, perde o poder: ficando preso para sempre em um muro.

Escultura em Paris remete a personagem de livro que tinha o poder de atravessar paredes — Foto: DIVULGAÇÃO/ OFFICIAL TOURIST OFFICE OF MONTMARTRE Escultura em Paris remete a personagem de livro que tinha o poder de atravessar paredes — Foto: DIVULGAÇÃO/ OFFICIAL TOURIST OFFICE OF MONTMARTRE

Escultura em Paris remete a personagem de livro que tinha o poder de atravessar paredes — Foto: DIVULGAÇÃO/ OFFICIAL TOURIST OFFICE OF MONTMARTRE

A escultura de Marais foi instalada em frente à casa onde vivia o escritor Aymé.

Cabeça de comunista

Ulan-Ude é uma cidade russa próxima à fronteira com a Mongólia. É a capital da Buryatia – os buryats são um povo mongol que se instalou por ali há quase 200 anos.

Por conta dessa especificidade histórica, Ulan-Ude é o centro do budismo tibetano na Rússia. Há um templo dedicado à religião na própria cidade e um complexo, Ivolginsky, no povoado Verkhnyaya Ivolga, a 40 quilômetros dali – um ponto de intensa peregrinação turística e religiosa.

Estátua em cidade perto da Mongólia celebra o primeiro centenário do aniversário de Lenin — Foto: Mariana Veiga / BBC Estátua em cidade perto da Mongólia celebra o primeiro centenário do aniversário de Lenin — Foto: Mariana Veiga / BBC

Estátua em cidade perto da Mongólia celebra o primeiro centenário do aniversário de Lenin — Foto: Mariana Veiga / BBC

Dizem que foi por causa desse contexto que o governo soviético mandou instalar ali, durante o regime socialista, a imponente e esquisita estátua em homenagem a Vladimir Lenin (1870-1924). Erguida em 1970, para celebrar o primeiro centenário do aniversário do revolucionário, a obra seria um recado ao povo: podem ter a sua religião, mas não se esqueçam de quem manda aqui.

Verdade ou não, certo é que se trata da maior cabeça de Lenin do mundo, com 7 metros e 7 centímetros de altura.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE