Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Governo de MG recorre contra decisão que determina pagamento integral aos professores no 5º dia útil

Desde fevereiro de 2016, os servidores estaduais que ganham mais de R$ 3 mil recebem de forma escalonada. Advocacia-Geral do Estado recorreu contra liminar do TJMG.

 
 -   / - G1  / FolhaMT
/ - G1 / FolhaMT / - G1 / FolhaMT

O Advocacia-Geral do Estado de Minas Gerais (AGE-MG) recorreu contra a decisão que determina que o governo pague o salário integral dos servidores da educação no 5º dia útil do mês. De acordo com a assessoria do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o agravo interno cível chegou à 3ª Câmara Cível de Belo Horizonte na tarde de sexta-feira (20).

Desde fevereiro de 2016, os servidores estaduais que ganham mais de R$ 3 mil recebem os vencimentos de forma parcelada. Segundo o governo, o motivo é a crise financeira enfrentada pelo estado.

O TJMG informou, nesta segunda-feira (23), que o recurso está com a desembargadora Albergaria Costa para ser avaliado. A decisão foi determinada a partir de um pedido do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE-MG). A entidade teve o pedido de liminar negado em primeira instância.

Em sua decisão, a desembargadora Albergaria Costa disse que “não se pode admitir que uma medida, a princípio excepcional, se torne permanente, sem perspectiva de solução, causando enorme prejuízo aos servidores que dependem da verba salarial, de natureza alimentar, para fazer frente às suas despesas e à subsistência de sua família, não raramente surpreendidos com a alteração ou mesmo descumprimento das escalas de pagamento”. O governo deve cumprir a determinação sob pena de multa diária de R$ 30 mil.

Por meio de nota, a AGE informou que pediu efeito suspensivo imediato da liminar concedida pela desembargadora. Segundo o advogado-geral do estado, Onofre Alves Batista Júnior, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ) estão sensíveis às ações em que se condena e é impossível cumprir.

“Nos estados, como se pode dizer, dinheiro não nasce de uma decisão. Não existe o recurso e isso é evidente no fluxo de caixa. O estado recorreu porque não existe a possibilidade de cumprir a liminar porque os recursos em caixa não permitem. Isso é facilmente demonstrável. Prova-se assim que não se paga no quinto dia porque não se pode e não porque não se quer. Em segundo lugar, não existe na lei a obrigação de pagar até o quinto dia útil. Lugar nenhum no estatuto firma essa data”, afirmou o advogado-geral, conforme o comunicado do órgão.

Greve

Os professores da rede estadual de educação estão paralisados este mês por causa dos constantes atrasos no depósito das parcelas do salário.

De acordo com o Sind-UTE-MG, a categoria vai voltar às salas de aula a partir de 26 de julho, um dia depois da votação em 2º turno da PEC 49/2018 que dtermina que o salário do professor de educação básica, do especialista de educação básica e do analista educacional não seja inferior ao piso nacional.

No mês passado, servidores da educação também fizeram paralisação por atrasos no pagamento.


Quer comprar um apartamento num dos centros de Goiânia?

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE