Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Polícia prende mãe que torturava filha de seis anos em Xinguara, no Pará

Mandado de prisão preventiva foi cumprido nesta sexta-feira, 15. Criança está sob guarda do Conselho Tutelar.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

A Polícia Civil cumpriu nesta sexta-feira (15) o mandado de prisão preventiva contra a mãe que foi flagrada torturando a fila de seis anos em Xinguara, sudoeste do Pará.

O flagrante aconteceu quando Mariana Coelho Medrado Ribeiro foi filmada maltratando a filha no sábado (9) passado. O vídeo foi feito por um vizinho que divulgou as agressões nas redes sociais e acabou chegando à Polícia, que abriu inquérito para investigar, e ao Conselho Tutelar, que notificou e tirou a guarda da mãe temporariamente.

As imagens circulam nas redes sociais, mostrando a mulher batendo e sufocando a filha com um pedaço de pano. Em outro vídeo, a criança aparece de joelhos em cima de pedras, com um tijolo na cabeça. Veja no vídeo acima.

Além de sofrer agressões da mãe, criança era colocada para sustentar um tijolo na cabeça enquanto ficava de joelhos sobre o milho. — Foto: Reprodução / TV Liberal Além de sofrer agressões da mãe, criança era colocada para sustentar um tijolo na cabeça enquanto ficava de joelhos sobre o milho. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Além de sofrer agressões da mãe, criança era colocada para sustentar um tijolo na cabeça enquanto ficava de joelhos sobre o milho. — Foto: Reprodução / TV Liberal

Em depoimento à Polícia, Mariana Ribeiro disse ao delegado Max Müller que estava educando a filha porque ela batia no irmão mais novo de apenas um ano.

A Comissão dos Direitos Humanos, da Ordem de Advogados do Brasil (OAB), acompanha o caso e considera que houve abuso por parte da mãe.

O caso deve ser enviado ao fórum para análise da Justiça e, em seguida, ao Ministério Público do Pará (MPPA) que poderá oferecer denúncia ou pedir o arquivamento.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE