Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Médico pede que retirem do Iêmen dois bebês siameses para cirurgia de separação; país vive guerra

Crianças precisam passar por operação, mas médico diz que não tem condições de fazer a cirurgia no Iêmen, país que vive crise humanitária.

 

Um médico do Iêmen lançou nesta quarta-feira (6) um chamado para transferirem ao exterior dois bebês siameses nascidos perto da capital, Sanaa, para que possam ser separados. Isso porque, segundo o profissional, as equipes no país no Oriente Médio não poderiam fazer essa intervenção.

"Espero que sejam transferidos ao exterior o mais rápido possível", declarou à AFP Fayçal Al-Babili, chefe do serviço de Pediatria do hospital Al-Thawra, em Sanaa.

  • Entenda a Guerra no Iêmen

O médico também disse esperar de que o aeroporto da capital reabra logo. Porém, o aeroporto de Sanaa permanece fechado para voos comerciais há quase três anos, devido ao bloqueio aéreo imposto pela coalizão liderada pela Arábia Saudita – país que apoia o governo iemenita contra os rebeldes huthis xiitas.

Médico cuida de bebês siameses no Iêmen — Foto: Mohammed HUWAIS / AFP Médico cuida de bebês siameses no Iêmen — Foto: Mohammed HUWAIS / AFP

Médico cuida de bebês siameses no Iêmen — Foto: Mohammed HUWAIS / AFP

Segundo Babili, o sistema de saúde do país entrou em colapso desde o início da guerra. E, sem os equipamentos necessários, o hospital não pode realizar uma operação para separar os recém-nascidos.

O médico também detalhou que os dois irmãos siameses tinham duas cabeças, dois corpos, mas apenas uma genitália e duas pernas.

Médico mostra radiografia de bebês siameses nascidos no Iêmen — Foto: Mohammed HUWAIS / AFP Médico mostra radiografia de bebês siameses nascidos no Iêmen — Foto: Mohammed HUWAIS / AFP

Médico mostra radiografia de bebês siameses nascidos no Iêmen — Foto: Mohammed HUWAIS / AFP

O conflito no Iêmen causou cerca de 10 mil mortes, a maioria de civis, e mais de 60 mil feridos, desde março de 2015, segundo um balanço parcial da Organização Mundial da Saúde (OMS).

As ONGs, no entanto, estimam que o número de mortes seja muito maior.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE