Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Paraense compromete 42% do salário mínimo para comprar cesta básica, diz Dieese

Estudo mostra a trajetória de alta no preço da alimentação básica no início de 2019.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

No mês de janeiro de 2019, o preço da cesta básica voltou a ficar mais caro em Belém, depois de fechar o ano de 2018 com alta de mais de 7%. Segundo o Dieese/PA, no início do ano o custo da alimentação básica dos paraenses foi de R$ 384,78 e comprometeu cerca de 42% do salário mínimo em sua aquisição.

De acordo com a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, no mês de janeiro, das 18 capitais pesquisadas 9 apresentaram elevações no valor total da cesta.

Em Belém, vários produtos pesquisados apresentaram pequenos recuos de preços, com destaque para o leite, com queda de 3,78%; seguido do tomate, com queda de 3,16%. Outros produtos tiveram altas de preços em janeiro, como o feijão, com reajuste de 33,44%; seguido do açúcar, com alta de 8,54%.

Segundo as pesquisas, o custo da cesta básica para uma família composta de dois adultos e duas crianças ficou em R$ 1.154,34, sendo necessário, aproximadamente, 1,15 salários mínimos para garantir as mínimas necessidades do trabalhador e sua família, somente com alimentação.

Já o balanço dos últimos 12 meses mostra alta de 4,85% na cesta básica na capital, com inflação estimada para o mesmo período em torno de 3,5%.

Segundo o Dieese, nos últimos 12 meses, a maioria dos produtos teve altas de preços, com destaque para o feijão, com reajuste acumulado de 41,78%; seguido do tomate, com alta de 21,63%; arroz, com alta de 21,60%; leite, com alta de 10,90%; pão, com alta de 4,19% e o açúcar, com alta de 3,74%.

O Dieese estima que o salário mínimo ideal para uma família padrão paraense deveria ser de R$ 3.828,79 para suprir as necessidades com alimentação, educação, moradia, saúde, lazer, etc.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE