Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Julgamento de policial e ex-esposa por morte de jovem em 2015 chega ao segundo dia, em Santarém

O julgamento iniciado na quinta 6 , deve se estender até a noite desta sexta 7 . No primeiro dia, os acusados trocaram acusações.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

Continua nesta sexta-feira (7), em Santarém, no oeste do Pará, o julgamento do sargento do GTO, Antônio Vasconcelos de Miranda e a ex-esposa, Clarice Borges dos Santos, acusados de envolvimento na morte do jovem Ruan Figueira Fialho, ocorrido em 2015. O jovem, na época com 20 anos, morreu após ser atingido por três tiros.

  • Ex-policial do GTO e ex-mulher vão a júri popular pela morte de jovem em 2015

Segundo a Promotoria, Clarice (que vivia com o sargento) teria tido outros relacionamentos no período entre eles com Ruan, e este teria sido atraído para um encontro quando acabou morto pelo militar. Neste segundo dia de julgamento, o Ministério Público apresenta sua tese.

Iniciado na quinta-feira (7), o júri se estendeu até à madrugada quando foi realizado o interrogatório dos réus. Durante o dia foram ouvidas oito testemunhas. Em suas falas, os acusados negaram participação nos fatos, e acusaram um ao outro.

O debate entre as partes terá de um lado os promotores de Justiça Rodrigo Aquino e Adleer Sirotheau e do outro a defensora pública Jane Amorim e os advogados Julianne Macedo e Tony Heber Nunes. O juiz Gabriel Veloso preside a sessão que deve se estender até à noite desta sexta.

O crime

Vítima foi identificada como Ruan Figueira Fialho — Foto: Karla Lima/G1 Vítima foi identificada como Ruan Figueira Fialho — Foto: Karla Lima/G1

Vítima foi identificada como Ruan Figueira Fialho — Foto: Karla Lima/G1

O jovem Ruan Figueira Fialho foi encontrado morto pela manhã, às margens da rodovia Fernando Guilhon, perto da ponte do Juá. Segundo a polícia, Ruan estava amarrado, com sinais de tortura e com marcas de tiros nas costas e na nuca.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE