Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

União Europeia prolonga sanções contra a Venezuela por mais um ano

Sanções incluem embargo de armas e material que poderia ser usado para a repressão interna, além de congelamento de bens e a proibição de viajar a autoridades próximas a Maduro.

 
 -   head  meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec
head meta charset 'utf-8 link rel 'preconnect' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'dns-prefetch' href 'https://cocoon.globo.com link rel 'prec

A União Europeia (UE) aprovou nesta terça-feira (6) a prorrogação por um ano das sanções contra a Venezuela, com as quais pretende pressionar o governo de Nicolás Maduro a restaurar a democracia e os direitos humanos no país.

"Tendo em vista a contínua deterioração da situação na Venezuela, o Conselho [da UE] decidiu renovar as medidas restritivas atualmente em vigor até 14 de novembro de 2019", anunciou a instituição que representa os países do bloco.

Os países confirmam assim as palavras da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, que dias atrás reiterou que o bloco não pretende "suavizar sua posição", apesar de estudar a criação de um "grupo de contato para facilitar" uma solução política para a crise que atinge a Venezuela.

A UE impôs no ano passado sanções contra a Venezuela, um país mergulhado em uma crise política, econômica e humanitária, por minar, em sua opinião, a democracia, o Estado de direito e os direitos humanos.

Em 13 de novembro de 2017, o bloco adotou seu regime geral de sanções contra o país latino-americano e impôs um primeiro embargo de armas, bem como de material que poderia ser usado para a repressão interna.

A eleição de uma Assembleia Constituinte, que não é reconhecida pela oposição venezuelana e nem pela comunidade internacional, foi o ponto de virada para a UE, juntamente com os quatro meses de protestos entre abril e julho de 2017 que deixaram cerca de 125 mortos.

Diante da deterioração da situação no país, em 22 de janeiro, os europeus decidiram sancionar sete autoridades do primeiro escalão, incluindo Diosdado Cabello, número dois do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV).

Diosdado Cabello em foto de 9 de maio de 2017 — Foto: Federico Parra/AFP Diosdado Cabello em foto de 9 de maio de 2017 — Foto: Federico Parra/AFP

Diosdado Cabello em foto de 9 de maio de 2017 — Foto: Federico Parra/AFP

A UE impôs a Cabello o congelamento de bens e a proibição de viajar para o bloco, assim como o restante dos sancionados, como o ministro do Interior, os presidentes do poder eleitoral e do Supremo Tribunal de Justiça, entre outros.

Após as eleições presidenciais de 20 de maio, em que Maduro foi reeleito, mas que foram boicotadas pelos principais partidos da oposição, os europeus ampliaram sua 'lista negra' para outros 11 altos funcionários, incluindo Delcy Rodríguez.

A presidente da Assembleia Constituinte e líder da Comissão da Verdade da Venezuela, Delcy Rodriguez, durante entrevista coletiva em Caracas — Foto: Federico Parra/AFP A presidente da Assembleia Constituinte e líder da Comissão da Verdade da Venezuela, Delcy Rodriguez, durante entrevista coletiva em Caracas — Foto: Federico Parra/AFP

A presidente da Assembleia Constituinte e líder da Comissão da Verdade da Venezuela, Delcy Rodriguez, durante entrevista coletiva em Caracas — Foto: Federico Parra/AFP

A inclusão da vice-presidente representa a posição mais alta sancionada por uma UE que evita punir diretamente o presidente venezuelano para não quebrar as pontes de comunicação com o governo deste país, mergulhado em uma crise profunda.

Cerca de 1,9 milhão de pessoas deixaram a Venezuela desde 2015, fugindo da crise econômica e política que o país atravessa, segundo a ONU. Cerca de 5.000 cidadãos deixam o país diariamente, no maior movimento populacional da história recente da América Latina.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE