Variedades

Variedades

Fechar
PUBLICIDADE

Variedades

'''Death Stranding''': Hideo Kojima diz que fez jogo esquisito e misterioso de propósito para '''incentivar imaginação'''

Em entrevista exclusiva ao G1 na E3 2018, game designer falou sobre jogo intrigante: Hoje em dia, todas as respostas estão por aí. Para mim, é mais interessante quando as pessoas podem imaginar .

 
 -  Em   39;Death Stranding  39;, o ator Norman Reedus interpreta o protagonista Sam  Foto: Divulgação/Sony
Em 39;Death Stranding 39;, o ator Norman Reedus interpreta o protagonista Sam Foto: Divulgação/Sony

“Eu vim pra confundir. Eu não vim pra me explicar“.

Poderia ser só uma letra do Charlie Brown Jr., mas o verso acima descreve com igual precisão a mente do japonês Hideo Kojima.

Game designer conhecido de nome, com pinta de gênio e criador de “Metal Gear“, uma das franquias mais populares dos videogames, Kojima é aquele tipo de cara que vive em seu próprio mundinho. E que, justamente por ser assim, mais uma vez é dono do jogo mais intrigante e esquisito do pedaço: “Death Stranding“.

Hideo Kojima, criador da série 'Metal Gear', esteve na E3 2018 para conversar sobre seu novo jogo, 'Death Stranding' (Foto: Bruno Araujo/G1) Hideo Kojima, criador da série 'Metal Gear', esteve na E3 2018 para conversar sobre seu novo jogo, 'Death Stranding' (Foto: Bruno Araujo/G1)

Hideo Kojima, criador da série 'Metal Gear', esteve na E3 2018 para conversar sobre seu novo jogo, 'Death Stranding' (Foto: Bruno Araujo/G1)

Os trailers divulgados até o momento têm feito um bom trabalho em manter o público engajado pelo seu mistério. Há bebês que se desmancham em óleo, criaturas voadoras e rostos famosos, mas muito pouco da trama e do que é, de fato, o jogo.

Sobram perguntas para nenhuma resposta e, pelo que apareceu até agora, pode-se até dizer que "Death Stranding" é um game de esporte.

É que Kojima é uma figura muito peculiar. Em entrevista exclusiva ao G1 na E3 2018, repleta de exigências quanto aos temas abordados (Konami foi vetado), ele consegue ir de uma inesperada reflexão trabalhista...:

“A maioria dos personagens principais de games são da elite, são grandes heróis. Porém, as pessoas que sustentam o mundo, no fim das contas, são da classe trabalhadora“, ele diz quando perguntado sobre Sam, protagonista de “Death Stranding“ interpretado pelo ator Norman Reedus.

...a uma vaidade sem papas na língua:

“Hoje, por exemplo, eu já tive várias ideias que gostaria de fazer. Todo dia tenho novas ideias que quero botar em prática“, ele responde sobre poder trabalhar fazendo exatamente o que pensa, sem uma grande corporação influenciando em seu processo criativo.

Esse é o jeitinho Kojima de ser. Com uma metodologia que diz ter pegado emprestado dos filmes independentes, o game designer de 54 anos não quer facilitar a vida de ninguém:

"Hoje em dia, todas as respostas estão por aí. Você procura e encontra as informações. Mas pra mim, é mais interessante quando as pessoas podem imaginar“, ele diz.

"Estou distribuindo pistas, mas as respostas eu espero que as pessoas só descubram por conta própria quando o jogo sair".

Leia abaixo a entrevista completa com Hideo Kojima:

G1 – O que o projeto “Death Stranding” significa pessoalmente pra você?

Hideo Kojima – Eu trabalhei para uma companhia [Konami] por mais de 30 anos. E agora tenho a minha empresa, tentando fazer as minhas coisas. Então esse projeto significa me reconectar aos jogadores, fãs, amigos, a muitas pessoas ao meu redor. E isso também é o tema do jogo. Me reconectar.

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony) 'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

G1 – Desde que você revelou “Death Stranding” há dois anos, o público tem ficado cada vez mais animado com o jogo porque acredita muito no seu trabalho. Mas também rola uma confusão com os trailers. É intencional? Deixar todo mundo tentando adivinhar sobre o que se trata “Death Stranding“?

Hideo Kojima – Intencional ou não, é claro que as respostas para tudo estão dentro do jogo. As pessoas irão entender tudo quando ele for lançado. Não tenho a intenção de dar todas as respostas para promover “Death Stranding“ antes mesmo de ele estar pronto.

As pessoas estão conectadas à internet, debatem e nós observamos tudo isso. E essa é a minha esperança, meu desejo é esse. Que as pessoas tenham essas discussões.

Por exemplo, em um romance de mistério, existe um assassinato, um assassino, e os leitores teriam que descobrir quem é o assassino só no final do livro. Só que agora você tem uma infraestrutura de distribuição de informação que torna muito fácil descobrir quem é o culpado. Mas eu não acho isso divertido, não acho que isso entretém.

“Hoje em dia, todas as respostas estão por aí. Você procura e encontra as informações. Mas pra mim, é mais interessante quando as pessoas podem imaginar“.

E existem diferentes maneiras de fazer isso sem entregar todas as respostas.

“Eu e os jogadores estamos nos conectando por todo o mundo, trocando ideias diferentes, e vamos construir juntos o entusiasmo em torno de 'Death Stranding'. Essa é a relação que eu quero desenvolver com eles“.

Estou distribuindo pistas, mas as respostas eu espero que as pessoas só descubram por conta própria quando o jogo sair.

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony) 'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

G1 – Vários atores famosos, como Norman Reedus, Mads Mikkelsen e agora Léa Seydoux e Lindsay Wagner, estão envolvidos nesse projeto. Quais são as maiores contribuições que essas pessoas podem trazer para o jogo?

Hideo Kojima – Atualmente, você consegue capturar todas as expressões dos atores e atrizes. Suas silhuetas, cada um dos seus traços. Até a sua aura, por assim dizer. Qualquer característica intangível pode finalmente ser expressada pela tecnologia, 100% digitalmente. E isso era impossível.

“Então, com esses personagens digitais, é quase como controlar um ser humano de verdade“.

No fim das contas, tudo será digital. Mas eles ainda estão atuando. Todas as frases que eles falam, os tons usados nas palavras, os movimentos que fazem. Criei uma relação de confiança com cada um dos membros do elenco. E acredito sinceramente que estamos criando algo juntos. No fim, o jogo será afetado pelas ideias deles, suas atuações. É isso que venho buscando.

Os filmes de Hollywood têm um roteiro bem definido. Todos os elementos estão postos e os atores só precisam ir de A pra B.

“Nos filmes independentes, no entanto, ainda é preciso ir de A a B, mas por meio de discussões com os membros do elenco. Talvez então possamos ir de A pra C, de A pra D. Essas ideias podem ser implementadas. Essa é a metodologia que eu estou usando“.

Ao conversar com Mads, com Norman, eu ajusto meu percurso. A história no geral não pode mudar, mas muitos elementos menores vêm de contribuições. Pra mim, é importante que eles estejam sendo parte da criação do jogo.

E a razão para trabalhar com eles não é porque são famosos. Mas porque são pessoas fantásticas.

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony) 'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

G1 – O mistério em torno de “Death Stranding” existe como uma maneira de os fãs debaterem e teorizarem sobre o jogo. E isso de alguma forma colabora com seu trabalho, do mesmo jeito que os atores, que também estão colaborando. Você encara esse ciclo de desenvolvimento como uma grande parceria com público e equipe?

Hideo Kojima – Eu não posso colocar tudo o que as pessoas pedem, isso seria impossível. Mas mais do que receber colaborações das pessoas, eu quero me conectar com todo mundo.

“Não é sobre lançar o jogo. Quando isso acontecer, você vai jogar e pronto. Eu quero me conectar com as pessoas e curtir esses anos de desenvolvimento do jogo“.

G1 – Você disse que o protagonista Sam é totalmente diferente des outros personagens de videogames. O que você pode falar sobre a sua personalidade? E como Norman lhe ajudou a trabalhar essa figura?

Hideo Kojima – A maioria dos personagens principais de games são da elite, são grandes heróis. Ou pessoas que têm poder político, são do exército, da polícia. Nos quadrinhos, você tem heróis que são princesas, deuses, reis.

“Porém, as pessoas que sustentam o mundo, no fim das contas, são a classe trabalhadora“.

Nesse caso, Sam não tem nenhum poder público ou político. Ele é apenas um operário dessa organização. Ele até tem algumas habilidades únicas, mas o personagem foi desenhado de uma forma bem diferente do que tenho feito ultimamente. Suas roupas, seus equipamentos... Se você observar, por exemplo, as suas roupas, existem algumas linhas brilhantes que são símbolos de pessoas que trabalham em construções.

Já os objetos que podem parecer uma arma, a cor base deles é de elementos encontrados em locais de construções. Eu acho que isso vai passar uma impressão diferente. É um personagem mais próximo dos jogadores.

“A maioria dos jogos, e 'GTA' talvez seja a exceção, tratam de acumular poder, autoridade e ter uma catarse por meio disso. Nesse caso, você começa como um colono. E se transformar em Norman é se transformar em um herói“.

Eu entrei nessa indústria por causa de Mario. E ele é um dos exemplos mais fáceis para lembrar como a maioria dos personagens de games têm habilidades especiais. Eles podem correr muito rápido, pular muito alto. Mas nesse caso é totalmente o oposto.

Sam é uma pessoa normal. Ele anda na velocidade de uma pessoa normal. E parece ter habilidades comuns. Nesse caso, a humanidade de Norman, e o próprio Norman, se encaixaram muito bem com o personagem.

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony) 'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

G1 – Você sempre fala que é apaixonado por filmes. E longas como “Aniquilação” e “Raw” pintaram no seu Twitter como alguns dos que você mais gostou de assistir neste ano. Há outras influências do cinema te ajudando a moldar a ideia de “Death Stranding”?

Hideo Kojima – Eu ouço muito essa pergunta e sempre fico intrigado. Porque não é como se eu assistisse um filme e falasse “Ok, essa será a referência para o que eu faço”. Eu assisto muitos filmes, absorvo e digiro o que vi e eles se tornam parte do que eu sou e do que eu crio. Sempre acho essa pergunta um pouco desconcertante.

G1 – “Death Stranding” é um novo começo para você e sua equipe. Um novo estúdio, uma nova tecnologia. Foi com isso que você sempre sonhou para a sua carreira? Ter toda a liberdade possível para dar vida às suas ideias e inspirações?

Hideo Kojima – Essa também é uma questão que eu ouço bastante. Mas, por exemplo, hoje eu já tive várias ideias que gostaria de fazer. Todo dia tenho novas ideias que quero botar em prática.

“O que aconteceu nesse caso foi que, quando me tornei independente, separei cinco ou seis ideias que gostaria de trabalhar. E entre essas escolhi 'Death Stranding' como provavelmente a mais adequada pra começar“.

Mas não é algo com que sempre sonhei.

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony) 'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

'Death Stranding' (Foto: Divulgação / Sony)

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE