Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Ministério autoriza usina termelétrica para suprir carência de energia no oeste do PA

A expectativa é que a usina seja instalada em 60 dias, depois da aprovação. A termelétrica é uma medida emergencial para suprir a carência de energia.

 
 -  Autoridades reunidas com o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, em Brasília  Foto: Agência Santarém/Divulgação
Autoridades reunidas com o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho, em Brasília Foto: Agência Santarém/Divulgação

O Ministério de Minas e Energia autorizou esta semana a instalação, ainda este ano, de uma usina termelétrica que gere adicional de energia, na ordem de 5 MW para abastecer mais de 100 mil habitantes de Santarém, Belterra e Mojuí dos Campos, no oeste do Pará. A expectativa é que a usina seja instalada em 60 dias, depois da data de aprovação do projeto, marcada para 4 de abril.

A termelétrica é uma medida emergencial para suprir a carência no abastecimento de energia na região, em virtude também das frequentes quedas e oscilação que prejudicam a população e causam danos em equipamentos de empresas, hospitais e prejuízos no comércio. A solução definitiva será a implantação do novo Linhão de Tucuruí, que deve ser concluído em 2021.

Na terça-feira (13), o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar (DEM) e o presidente da Aces, Roberto Branco, estiveram em Brasília (DF), onde se reuniram com o ministro de Minas e Energia, Fernando Filho. Também compareceram na reunião, o presidente da Celpa - Centrais Elétricas do Pará, Nonato Castro e o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho.

A busca por melhorias no fornecimento de energia é um esforço coletivo entre a Prefeitura de Santarém e a Associação Comercial e Empresarial de Santarém (Aces). “Nosso problema é urgente. Com a retomada do crescimento econômico no município, aumentou a demanda por energia e com isso afundou o sistema, principalmente no período da tarde”, destacou Nélio.

Depois de instalada, a termelétrica deve entrar em funcionamento nos horários de pico, quando o consumo de energia for maior. “Está havendo um afundamento de tensão, que queima equipamentos, tomógrafos, equipamentos de hemodiálise, é um desastre total. Essa termelétrica vem de forma emergencial para equilibrar o sistema", afirmou Roberto Branco.

Fernando Coelho Filho, ministro de Minas e Energia (Foto: Reprodução/NBR TV) Fernando Coelho Filho, ministro de Minas e Energia (Foto: Reprodução/NBR TV)

Fernando Coelho Filho, ministro de Minas e Energia (Foto: Reprodução/NBR TV)

O ministro Fernando Filho disse que se sensibilizou com os relatos sobre os prejuízos na região. “A nossa expectativa é que uma vez aprovada no dia quatro de abril, dentro de sessenta dias a gente possa estar com essa térmica instalada e esse fornecimento de energia solucionado. A expectativa é que atenda não somente Santarém, mas as cidades em volta”, disse.

Para o ministro Helder Barbalho, a instalação da usina termelétrica em Santarém vai resolver o problema de quedas e oscilações de energia e ainda minimizar danos e os prejuízos. “Vitória pra Santarém e região e uma garantia na qualidade da oferta de energia para a nossa população que já paga um preço tão caro com uma qualidade precária”, afirmou.

Quer saber mais notícias de Santarém e Região? Acesse G1 Santarém.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE