Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Nos últimos dois anos, movimento em Mosqueiro diminuiu cerca de 60%

A Agência Distrital do município admite que a expectativa de público para o carnaval em Mosqueiro vem diminuindo a cada ano. Era de 600 mil pessoas em 2015 e caiu para 250 mil este ano. Uma queda de quase 60%.

 

Em Mosqueiro, o ritmo da festa não vem animando os comerciantes da ilha Nos últimos dois anos o movimento diminuiu cerca de 60%.

Se na piscina de um hotel tem gente, foi porque os hóspedes choraram no preço. Uma hóspede diz que, se fosse em outra época, quando Mosqueiro era movimentada, jamais conseguiria este desconto.

O baixo movimento tem obrigado os empresários a baixar os preços. “Até ontem teve dois quartos que nós não alugamos desde o sábado. Pra gente tentar encher, diminuímos o preço e conseguimos alugar um e o outro continua desocupado”, diz o gerente Jefferson Monteiro.

No comércio é a mesma situação. “Quando não está no feriado, nos dias comuns, é a mesma coisa, é muito fraco”, diz a comerciante Rosana Cabral.

A Agência Distrital do município admite que a expectativa de público para o carnaval em Mosqueiro vem diminuindo a cada ano. Era de 600 mil pessoas em 2015 e caiu para 250 mil este ano. Uma queda de quase 60%.

A explicação está na ponta da língua de quem mora na ilha. “Eu acho que é falta de atrações pra Mosqueiro. As pessoas vêm atrás de diversão e isso a gente não está vendo. Por exemplo, tiraram os trio elétricos”, diz a comerciante Neide Teixeira.

Até as tapiocarias, que sempre foram parada obrigatória na Vila de Mosqueiro, estão vazias. Nas areias das praias é uma calmaria.

“Os clientes, estamos aguardando até agora. Tão tudo pra Vigia, pois não tem nada em Mosqueiro”, diz o ambulante Edilson Antônio.

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do G1 Pará no (91) 98814-3326.

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE