Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Clássicos do brega, bateria afinada e muita música sertaneja recheiam o domingo de carnaval em BH

O bloco Todo Mundo Cabe no Mundo também foi destaque. A folia invadiu a cidade da Pampulha à Região Centro-Sul.

 
 -  Fã homenageou o cantor morto há seis anos no Beiço do Wando, em Belo Horizonte  Foto: Pedro Ângelo/G1
Fã homenageou o cantor morto há seis anos no Beiço do Wando, em Belo Horizonte Foto: Pedro Ângelo/G1

O Bloco Beiço do Wando animou uma multidão na Praça Geralda Damata Pimentel, na Região da Pampulha, em Belo Horizonte. A bateria começou a aquecer os tambores cedo, por volta das 9h e pouco tempo depois a banda já havia começado a tocar sucessos do cantor brega e outros hits da música brasileira.

A viúva do Wando, Renata Lana, e a filha do cantor, Maria Sabrina Costa Lana Reis, também fizeram parte da homenagem ao artista. A estudante de 11 anos cantou uma das músicas do pai com a banda do Beiço.

Bloco Beiço do Wando lotou a Nova Praça da Pampulha, em Belo Horizonte, na manhã deste domingo (Foto: Pedro Ângelo/G1) Bloco Beiço do Wando lotou a Nova Praça da Pampulha, em Belo Horizonte, na manhã deste domingo (Foto: Pedro Ângelo/G1)

Bloco Beiço do Wando lotou a Nova Praça da Pampulha, em Belo Horizonte, na manhã deste domingo (Foto: Pedro Ângelo/G1)

"Eles têm o jeitão do Wando", disse a Renata. A mãe contou ainda que a filha "canta desde que nasceu".

O bloco Todo Mundo Cabe no Mundo, que tem como bandeira principal a inclusão social, se concentrou na Rua Piauí, na esquina com a Rua Padre Rolim, no bairro Santa Efigênia, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, e por pouco não saiu para o desfile por causa de um problema com o caminhão que foi rapidamente resolvido.

O artista plástico Marcelo Xavier, fundador do grupo, foi o abre-alas e arrastou uma multidão. De acordo com a organização, 5 mil pessoas fizeram o percurso - que subiu a Rua Piauí, pegou a Gonçalves Dias, a Maranhão, a Carandaí e entrou novamente na Piauí, onde começou. A Polícia Militar não divulga estimativa de público.

Falando de inclusão, o bloco Todo Mundo Cabe no Mundo levou alegria para ruas de Belo Horizonte (Foto: Alex Araújo/G1) Falando de inclusão, o bloco Todo Mundo Cabe no Mundo levou alegria para ruas de Belo Horizonte (Foto: Alex Araújo/G1)

Falando de inclusão, o bloco Todo Mundo Cabe no Mundo levou alegria para ruas de Belo Horizonte (Foto: Alex Araújo/G1)

Cadeirantes, portadores de síndrome do Down, pessoas com dificuldade de locomoção e até animais de estimação com limitações físicas mostraram que o Todo Mundo Cabe no Mundo dá espaço, sem preconceito, a todos que querem cair na folia.

Priscila Glenda animou uma multidão no É o Amô. (Foto: Thais Pimentel/G1) Priscila Glenda animou uma multidão no É o Amô. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Priscila Glenda animou uma multidão no É o Amô. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Por volta das 13h, o bloco É o Amô começou com a “sofrência”. Inspirado em músicas sertanejas de “rasgar o coração”, o grupo arrastou uma multidão pela Avenida Getúlio Vargas, no bairro Funcionários, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Ao som de “Nuvem de Lágrimas”, “Evidências” e outros clássicos, o bloco reuniu amantes do sertanejo e ainda brilhou com uma bateria toda montada no estilo country. Teve até ala de dança e muita coreografia.

Correio elegante unindo crushes no carnaval. (Foto: Thais Pimentel/G1) Correio elegante unindo crushes no carnaval. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Correio elegante unindo crushes no carnaval. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Quem estava de olho no crush, pôde brincar de correio elegante. “A gente tem que fazer acontecer, né?”, disse Eduardo que ficou na função de cupido.

Passistas do É o Amô animaram a galera. (Foto: Thais Pimentel/G1) Passistas do É o Amô animaram a galera. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Passistas do É o Amô animaram a galera. (Foto: Thais Pimentel/G1)

O Unidos do Samba Queixinho retornou à Praça da Liberdade, na Região Centro-Sul, depois de dois anos. Com uma das baterias mais afinadas do carnaval de Belo Horizonte, o bloco levou foliões ao delírios com as viradas e repiques.

Ritmistas arrasaram no Queixinho. (Foto: Thais Pimentel/G1) Ritmistas arrasaram no Queixinho. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Ritmistas arrasaram no Queixinho. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Além da volta à Praça da Liberdade, outra novidade foi a participação de bonecos do Giramundo, tradicional grupo de teatro de Belo Horizonte.

Neste ano, bonecos do grupo Giramundo participaram do desfile do Queixinho. (Foto: Thais Pimentel/G1) Neste ano, bonecos do grupo Giramundo participaram do desfile do Queixinho. (Foto: Thais Pimentel/G1)

Neste ano, bonecos do grupo Giramundo participaram do desfile do Queixinho. (Foto: Thais Pimentel/G1)

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE