Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

CNJ recebe cartas com 2,3 mil denúncias de presos em condições degradantes

 
Maranhão transfere detentos para presídios federais
Cartas de detentos revelaram condições degradantes dos  presíidios     Wilson Dias/Arquivo/Agência Brasil

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recebeu mais de 2 mil cartas escritas por presos de todo o país que denunciam violações de direitos humanos e condições degradantes nas penitenciárias brasileiras. Algumas das cartas relatam o sofrimento causado por agressões e abusos por parte de agentes penitenciários e pela falta de comida e atendimento médico.

As 12 caixas contendo 2.331 cartas foram encaminhadas nesta quinta-feira (8) pelo defensor nacional de Direitos Humanos da Defensoria Pública da União (DPU), Anginaldo Oliveira Vieira, à ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ. De acordo com Anginaldo, o objetivo é dar visibilidade a presos que se encontram em situação de “absoluto abandono no sistema penitenciário”.

Além das cartas, o representante da DPU também enviou a Cármen Lúcia um ofício em que pede formas mais céleres de se conceder o indulto e a comutação das penas. Vieira defende a adoção de um calendário de progressão, estabelecido no momento da sentença condenatória, para que as concessões dos benefícios a que os detentos têm direito ocorram de forma “automática e imediata”.

Em uma das correspondências, um detento conta que está em uma cela onde divide oito camas com mais 16 pessoas e que a comida não é suficiente para todos.

“O direito do preso tem que ser respeitado tanto quanto o de um cidadão que não cometeu nenhum crime. Nós sabemos da situação precária das cadeias brasileiras, que não são seguras nem para os servidores, nem para as autoridades, e muito menos para os presos. Eles vivem em uma situação de negação absoluta de direitos, até falta de comida relatam, além da questão da violência e dos problemas de saúde e das mortes que ocorrem nesse ambiente”, afirmou.

As cartas já foram encaminhadas ao setor responsável pela questão no CNJ, o Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF). A DPU recebeu, entre outubro do ano passado e 31 de janeiro de 2018, 8.500 correspondências. O movimento teve início após o órgão entrar com habeas corpus no Supremo Tribunal Federal pedindo que os detentos que estivessem em presídios federais há mais de dois anos retornassem aos estados de origem, já que a legislação impede o isolamento carcerário de forma ininterrupta.

As condições desumanas e degradantes estão presentes em outros relatos, escritos à mão pelos próprios detentos: além de sofrer agressões, um interno afirmou, na carta, que é ameaçado com cachorros e que a unidade prisional não presta atendimento médico devido à falta de remédios e de escolta policial.

Segundo o defensor público Anginaldo Vieira, as cartas revelam que muitos dos internos já têm direito a indulto e progressão de pena e não são beneficiados por falhas nos processos administrativos e burocráticos. A expectativa da DPU é que o número de cartas recebidas nos próximos meses dobre, já que, segundo Vieira, a instituição tem demonstrado à população carcerária que está “atenta” às suas queixas.

“Na aplicação dos indultos e das progressões, é necessário mudar o modelo decisório para que a inércia favoreça a liberdade, e a informática é a ferramenta que possibilita de imediato esta aplicação”, afirmou.

 

Texto ampliado às 17h26 para acréscimo de informações da Defensoria Pública da União 

 

 

 

Veja mais:

PUBLICIDADE
Comportamento Coisas que homens e mulheres fazem de maneira diferente
Saúde e Bem Estar Como ter as mãos lindas e suaves em apenas 60 segundos
Saúde e Bem Estar Limonada negra - poção ou milagre?
Comportamento Tipos de homens que menos atraem as mulheres
Saúde e Bem Estar Fumar ajuda perder peso? Veja como esse mito deixou doente milhões de adolescentes no mundo
Comportamento Você sabia que o álcool pode ser segredo de um relacionamento duradouro?
Comportamento Homens atraentes são mais egoístas, diz estudo
Saúde e Bem Estar Usar o telefone na cama causa graves problemas de saúde
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE