Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Samu presta contas no Centro-Oeste de MG e conclui: serão necessários R$ 36 mi para 2018

Dados foram divulgados durante um balanço dos seis meses. Secretário executivo fala de débito do Estado; G1 aguarda posicionamento da SES.

 
 -  Balanço sobre atendimento do Samu foi apresentado em Divinópolis  Foto: TV Integração/Reprodução
Balanço sobre atendimento do Samu foi apresentado em Divinópolis Foto: TV Integração/Reprodução

Em uma prestação de contas, realizada na manhã desta quinta-feira (7), em Divinópolis, o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste para Gerenciamento dos Serviços de Urgência e Emergência (CIS-URG), apresentou os trabalhos de seis meses do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Foram apontados atrasos no repasse de verbas por parte do governo de Minas e os custos para manter o serviço em funcionamento em 2018.

O G1 entrou em contato com a SES e aguarda retorno.

Nestes seis primeiros meses de funcionamento, o Samu atendeu 117 mil ocorrências em 54 municípios do Centro-Oeste Mineiro. Na assembleia para a prestação de contas surgiu o alerta de que o orçamento do serviço já está no vermelho.

Segundo o secretário executivo e diretor do Samu, José Márcio Zanardi, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) não repassou duas parcelas, que somadas ultrapassam R$ 4 milhões.

“Temos tido problemas financeiros com atrasos por parte do governo do estado em parcelas para a gente gerenciar e administrar o serviço. Mas temos conseguido conduzir o processo de forma correta, não tem salários atrasados, inclusive hoje estamos pagando a segunda parcela do 13º dos nossos colaboradores e as contas com os fornecedores em dia”, ressaltou.

O orçamento para 2018 também gera preocupação, mas soluções estão sendo buscadas. Para o Samu continuar atendendo no ano que vem, o Consórcio precisa receber cerca de R$ 36 milhões.

“Os municípios repassam cerca de R$ 510 mil por mês ou seja R$ 0,40 per capta e o restante mensal, de cerca de R$ 2,5 milhões, vem do governo do Estado através de contrato, mas o estado pode ser desonerado a qualquer momento, uma vez que estamos habilitando o consócio junto ao governo federal, diminuindo o repasse do estado para cerca de R$ 1 milhão”, explicou Zanardi.

A queda na arrecadação dos impostos, tem muitos prefeitos readequando as contas públicas para manter o serviço. “Melhorou muito o atendimento da urgência na cidade. Estamos trabalhando com muita economia para manter os serviços básicos e o serviço do CIS-URG será mantido”, disse o prefeito de Bambuí, Olívio José Teixeira.

Atualmente o Samu tem 390 funcionários. A intenção é em janeiro preencher mais 21 vagas. Está previsto também para 2018 um concurso público para dar estabilidade aos trabalhadores.

 

 

 

PUBLICIDADE
Variedades "Siga-me" se transforma em uma versão sexy
Turismo Nazistas construíram edifícos maciços durante a guerra para proteger cidades de ataques aéreos
Variedades Sete truques baratos que vão facilitar sua vida
Comportamento O teste de PSICOLOGIA mais famoso: diga o que vê na foto e saiba um pouco mais sobre você
Saúde e Bem Estar Algumas razões para seu cabelo estar caindo
Humor Brinquedos feitos para crianças, ou para uma sex shop?
Variedades Conheça alguns trabalhos nada comuns
Comportamento Quer impressionar uma garota? aqui vão algumas dicas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE