Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Retomado trabalho de remoção de corpos do interior do rebocador içado em Óbidos

Trabalhos haviam sido suspensos às 21h de ontem em função da baixa luminosidade no local que dificultou a retirada dos corpos.

 
 -  Operação de resgate está concentrada na cabine de comando do empurrador CXX  Foto: Débora Rodrigues/TV Tapajós
Operação de resgate está concentrada na cabine de comando do empurrador CXX Foto: Débora Rodrigues/TV Tapajós

Recomeçaram por volta das 8h30 da manhã desta quarta-feira (6), em Óbidos, oeste do Pará, os trabalhos para remoção de corpos do interior do empurrador CXX, da empresa de transportes Bertolini, que foi içado do fundo do Rio Amazonas na manhã de terça-feira (6).

Na retomada dos trabalhos a equipe trabalhou para a retirada do terceiro dos cinco corpos já localizados dentro da embarcação que afundou no dia 2 de agosto de 2017, após bater com o navio cargueiro Mercosul Santos. Onze pessoas viajavam no empurrador, sendo nove tripulantes e dois passageiros. Dos nove tripulantes, dois sobreviveram ao acidente e foram resgatados por um pequeno barco pouco tempo depois do empurrador sumir nas águas barrentas do Rio Amazonas.

O trabalho na cabine de comando do rebocador foi o mais complicado até aqui. A equipe de resgate precisou utilizar escadas e serras por causa das condições da estrutura que ficou muito amassada, o que dificultou a remoção do terceiro corpo. Antes das 11h, dois corpos foram removidos, somando quatro com os dois que já haviam sido retirados para a balsa de apoio na segunda-feira (5).

Somente quando encerrar a retirada dos corpos já localizados é que a perícia vai trabalhar no primeiro pavimento do empurrador, na tentativa de localizar os outros quatro. Os camarotes do primeiro pavimento ainda não foram abertos pela perícia que faz o levantamento do local de crime.

Cabine de comando do empurrador está bastante amassada, o que dificulta o acesso da equipe de perícia (Foto: Débora Rodrigues/TV Tapajós) Cabine de comando do empurrador está bastante amassada, o que dificulta o acesso da equipe de perícia (Foto: Débora Rodrigues/TV Tapajós)

Cabine de comando do empurrador está bastante amassada, o que dificulta o acesso da equipe de perícia (Foto: Débora Rodrigues/TV Tapajós)

Segundo informações da perícia do IML, os corpos só serão trazidos para a sede do Centro de Perícias Renato Chaves, de Santarém, oeste do Pará, quando forem finalizadas as buscas, uma vez que só uma embarcação (lancha) disponível para esse transporte.

Os familiares dos nove desaparecidos no naufrágio do empurrador CXX deixaram o município de Óbidos no início da manhã desta quarta-feira. Eles retornaram para Santarém em lancha fretada.

*Colaborou a repórter Débora Rodrigues/TV Tapajós

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE