Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Congresso do Paraguai legaliza plantio de maconha medicinal

Decisão segue outros países da América Latina, como Peru, Chile, Argentina e Colômbia.

 
 -  Maconha no Paraguai poderá ser usada para fins medicinais  Foto: Martin Bernetti/AFP
Maconha no Paraguai poderá ser usada para fins medicinais Foto: Martin Bernetti/AFP

O Congresso do Paraguai aprovou um projeto de lei nesta terça-feira (5) que cria um sistema patrocinado pelo estado para importar sementes de maconha e cultivar a planta para uso medicinal, decisão que segue outros países da América Latina.

O Paraguai autorizou a importação do óleo de cannabis em maio, sob controle do Ministério da Saúde, e a decisão desta terça foi celebrada por pacientes e seus entes queridos por tornar o produto mais facilmente disponível.

"Estamos muito felizes pois isso também permitirá a importação de sementes para produção do óleo", disse Roberto Cabanas, vice-presidente da organização medicinal de cannabis do Paraguai.

A filha de Cabanas possui a síndrome de Dravet. A família pagava 300 dólares por mês pelo óleo de cannabis importado.

Peru, Chile, Argentina e Colômbia já legalizaram a maconha para uso medicinal. O Uruguai legalizou totalmente a plantação e a venda de maconha para uso indiscriminado.

O projeto deverá ser sancionado pelo Executivo uma vez que foi apoiado pelo Ministério da Saúde.

O cultivo de maconha para fins recreativos é ilegal no Paraguai, ainda que o país seja fonte chave de maconha ilegal traficada para Brasil e Argentina.

 

 

 

PUBLICIDADE
Variedades O que realmente aconteceu com as vítimas do Titanic?
Celulares Recursos legais do botão central nos fones de ouvido do iPhone
Comportamento Com que frequência os homens e mulheres pensam em sexo?
Variedades Conheça 5 novos usos para Vodka, além de bebida
Variedades Conheça alguns trabalhos nada comuns
Saúde e Bem Estar O efeito das bebidas energéticas no seu corpo
Ecologia Tenha rosas em casa durante o ano todo
Educação Bolas gigantes encontradas na Bósnia divide opinião de cientistas
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE