Economia

Economia

Fechar
PUBLICIDADE

Economia

13o salário: lutas, conquista e impactos

 

Mais uma vez, neste final de ano, a economia brasileira receberá a injeção de mais de R$ 200 bilhões decorrentes do pagamento do 13o salário, recebido por 83 milhões de pessoas, trabalhadores assalariados e beneficiários da previdência social (aposentados e pensionistas). Essas e outras estimativas estão na Nota à Imprensa divulgada pelo DIEESE, Economia do país deve receber R$ 200,5 bilhões com pagamento do 13o salário (disponível em www.dieese.org.br).

O pagamento do 13o salario já se incorporou à economia nacional, ampliando o mercado de consumo interno, com o aumento dos gastos das famílias, e movimentando boa parte do setor produtivo. As empresas programam a produção para atender o que o 13o salário criará de demanda adicional. Assim, o gasto do empregador, ao pagar os salários, retorna imediatamente como lucro, com o consumo de produtos ou serviços. O empregador investe na produção, contratando trabalhadores, gerando empregos e pagando salários, porque aposta e confia que terá retorno (lucro) a partir do consumo, que é resultado da soma dos salários pagos por toda a economia.

Mas não é fácil fazer a roda da economia girar a fim de dinamizar empregos e salários. No geral, são os próprios trabalhadores que, ao lutar por empregos e pela melhora dos salários, estimulam a economia. E mais: com essas lutas e as conquistas obtidas, conseguem melhorar a distribuição de renda e enfrentar o problema da desigualdade.

Muitas condições e benefícios que existem no cotidiano de todos nós e aparentam ser simplesmente “direitos naturais”, perenes, são, na realidade, resultado de muita luta. O 13o salário é um exemplo. Implementado em 13 de julho de 1962 pelo presidente João Goulart, surgiu da gratificação natalina que muitos trabalhadores conquistaram durante a década de 1950 e só se transformou em lei, num direito de todos, com longa luta institucional - da mesma forma, é consequência das lutas dos trabalhadores o direito às férias, às indenizações por demissões, à jornada de trabalho de 44 horas, entre tantos outros.

As reações contrárias existiram sempre, como as manifestações de empresários que afirmavam que a implantação do 13o salário seria desastrosa para o Brasil, inviabilizaria as empresas etc.

Hoje todo o meio empresarial incorporou a lei e compreende a importância do pagamento do 13o salário para a dinâmica econômica.

As mudanças distributivas são resultado de lutas sociais realizadas para vencer resistências e conquistar adeptos. Nessas disputas, sempre foi e será fundamental esclarecer detalhadamente o objetivo do projeto que se quer construir e no que o projeto consiste.

É importante lembrar e conhecer as histórias de tudo o que está no cotidiano atual e que, muitas vezes, aparece como situação natural, ou ainda como dádiva. Não se pode esquecer jamais que a base de todos os direitos tem como lastro a vida e o sangue de muita gente, que lutou arduamente e que, nem sempre, chegou a usufruir daquilo que ajudou a conquistar.

As lutas dos trabalhadores, ao longo da história, são responsáveis pela conquista de importantes avanços, não apenas trabalhistas, mas também sociais, em todo o mundo. É preciso lembrar sempre e fazer com que todos saibam disso. 



 *Clemente Ganz Lúcio é  Sociólogo, diretor técnico do DIEESE, membro do CDES – Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social e do Grupo Reindustrialização 

 

 

 

Veja mais:

PUBLICIDADE
Turismo Cuba: veja como é morar no inferno
Personalidades Os 23 atores de séries mais bem pagos
Variedades Você sabe quais são os lugares mais seguros no avião?
Culinária Bolo de leite condensado (sem farinha)
Comportamento Você sabia que o álcool pode ser segredo de um relacionamento duradouro?
Variedades 15 fotoflagrantes incríveis
Variedades Teste de atenção, encontre a letra A
Variedades Magnum 44
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE