Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Após saída dos EUA, Israel também anuncia que deixará Unesco

 
O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, decidiu hoje (12) retirar o país da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), após o governo dos Estados Unidos anunciar o mesmo por considerá-la anti-israelense.

De acordo com comunicado distribuído pelo escritório do governo israelense, Netanyahu classificou a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre este tema como "valente e moral, porque a Unesco se tornou o teatro do absurdo e porque, em vez de preservar a história, a distorce".

O premiê deu instruções ao Ministério de Relações Exteriores de Israel para iniciar os trâmites necessários para retirada do país da Unesco. A retirada dos EUA se tornará efetiva em 31 de dezembro de 2018.

O embaixador israelense para a Unesco, Carmel Shama Hacohen, recomendou a Netanyahu seguir os passos de Washington e "se retirar imediatamente" da organização por "ter perdido sua razão de ser em favor de considerações políticas de certos países", segundo o portal de notícias israelense "Ynet".

Saiba Mais
  • Estados Unidos anunciam saída da Unesco
  • Dirigente da ONU lamenta saída dos Estados Unidos da Unesco
O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Libearman, também elogiou a decisão dos EUA por considerar que "é um passo importante" dado pelo "maior aliado" do país "contra uma organização politicamente relaxada e antissemita que transformou mentiras em prática comum e perdeu o seu rumo", informou a rádio "Kan".

A porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert, afirmou que a decisão de Washington "reflete as preocupações dos Estados Unidos com os crescentes atrasos nos pagamentos na Unesco, a necessidade de uma reforma fundamental da organização e a contínua tendência anti-Israel".

A diretora da Unesco, Irina Bokova, expressou em comunicado o seu "profundo lamento" pela decisão americana.

A Unesco foi a primeira agência da ONU a aceitar, em 2011, os palestinos como membros de pleno direito.

Israel tem uma longa história de enfrentamentos com a agência, à qual acusou de parcialidade anti-israelense e, em diversas ocasiões, reduziu as suas cotas financeiras anuais como medidas punitiva. 

* É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados

 

 

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Celulares Vídeos Youtube poderão ser abertos dentro do Whatsapp
Personalidades Os 23 atores de séries mais bem pagos
Variedades Dezoito esculturas na areia que são verdadeiras obras de arte
Ecologia Conheça as incríveis formigas Pote-de-Mel
Saúde e Bem Estar Você pode se livrar de micróbios em sua escova de dentes, e só precisa de um ingrediente
Artes Anúncios publicitários feitos por gênios
Artes Imagens de trabalho de Andrew Hickinbottom
Variedades Você sabe quais são os lugares mais seguros no avião?