Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Bolsa Permanência esta com inscrições abertas para ajuda financeira a alunos indígenas e quilombolas

A verba é paga diretamente pelo MEC, com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE , por meio de um cartão de benefício.

 
 -  As inscrições do Bolsa Permanência vão até o dia 28 de Setembro  Foto: Divulgação/UFPA
As inscrições do Bolsa Permanência vão até o dia 28 de Setembro Foto: Divulgação/UFPA

O Programa Bolsa Permanência (PBP), do Ministério da Educação está com inscrições abertas para o segundo semestre até o dia 29 de setembro, para alunos das comunidades indígenas e quilombolas matriculados em Instituições de Ensino Superior. Os estudantes interessados em participar do processo seletivo devem se inscrever pelo site do MEC. Os candidatos à bolsa precisam anexar toda a documentação solicitada para a comprovação do seu pertencimento a comunidades indígenas ou quilombolas, registros que podem ser obtidos, respectivamente, na Fundação Nacional do Índio (Funai) e na Fundação Cultural Palmares.

O valor da bolsa, estabelecido pelo MEC em R$ 900, é calculado com relação à organização social das comunidades, à condição geográfica, aos costumes, às línguas, às crenças e às tradições, amparadas pela Constituição Federal. A verba é paga diretamente pelo MEC, com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), por meio de um cartão de benefício.

“O Bolsa Permanência atende a 6.800 alunos indígenas e quilombolas. A nossa expectativa com essa nova inscrição é de que outros mil estudantes entrem no PBP”, informa, Antônio Corrêa, coordenador do Sesu.

A Bolsa Permanência é um auxílio financeiro que tem por finalidade minimizar as desigualdades sociais e contribuir para a permanência e a diplomação dos estudantes de graduação em situação de vulnerabilidade socioeconômica. Seu valor, estabelecido pelo Ministério da Educação, é equivalente ao praticado na política federal de concessão de bolsas de Iniciação Científica, atualmente de R$ 400,00 (quatrocentos reais).

Para os estudantes indígenas e quilombolas, será garantido um valor diferenciado, R$ 900, em razão de suas especificidades com relação à organização social de suas comunidades, à condição geográfica, aos costumes, às línguas, às crenças e às tradições, amparadas pela Constituição Federal. Atualmente 87 instituições de ensino aderem ao programa.

  • Belém

 

 

 

Veja mais:

PUBLICIDADE
Artes Algumas criações de bons artistas
Música Ariana Grande x Christina Aguilera. Quem imita melhor?
Celulares Vídeos Youtube poderão ser abertos dentro do Whatsapp
Comportamento Padrões de beleza feminina em 15 diferentes países. Brasileiros são mais exigentes.
Variedades Sete truques baratos que vão facilitar sua vida
Variedades Magnum 44
Comportamento Sinais de que você é mais esperto do que você pensa
Variedades Como plantar abacate em casa?
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE