Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

REGIONAL

Decreto autoriza produção de peixes exóticos em Mato Grosso

 
Pequenos e médios aquicultores de Mato Grosso agora também poderão criar e comercializar peixes exóticos. Nesta categoria, a principal espécie viável é a tilápia, que pode gerar duas despescas por ano e, assim, ampliar a renda dos criadores. O Decreto que autoriza a atividade foi assinado nesta sexta-feira (15.09), pelo governador do Estado, Pedro Taques, no Palácio Paiaguás, em Cuiabá.

A norma altera o Decreto n° 8.149/2006, que regulamenta a atividade de piscicultura no estado de Mato Grosso e dá outras providências. Uma medida economicamente viável, como define a presidente da Associação de Pequenos e Médios Produtores Rurais e Aquícolas do Lago do Manso, Maria Aparecida de Andrade. “Para ter uma ideia, enquanto a espécie nativa tambaqui leva até nove meses para reproduzir, a tilápia demora apenas cinco meses, ou seja, rende duas produções anuais”, exemplifica.

Ela explica que 45 famílias possuem a outorga para utilização do Parque Aquícola de Manso, cedido pelo Governo Federal, mas ainda necessitam de apoio para conseguirem recursos financeiros. “Já estamos em contato com a Desenvolve MT para viabilizar o acesso a linhas de crédito aos nossos piscicultores. E, assim que conseguirmos, com a liberação da comercialização de peixes exóticos, a expectativa é produzir 36 toneladas de peixe por aquicultor”, comemora.

Mato Grosso ocupa a segunda posição com relação à produção de peixes no Brasil, atrás apenas do estado de Rondônia. Segundo o último levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2015, a produção mato-grossense atingiu 60,946 mil toneladas, contra 75,023 toneladas registradas por Rondônia. Para o governador Pedro Taques, a edição deste Decreto visa alcançar a primeira colocação no ranking. “Sabemos dos desafios para atingir este objetivo, mas esta medida é a prova de que estamos avançando significativamente”.O vice-governador e secretário de Estado de Meio Ambiente, Carlos Fávaro, ressalta a segurança jurídica com que os piscicultores trabalharão, a partir da edição do Decreto. “Estamos dando condições para que as famílias produzam cada vez mais, e de forma sustentável, por isso agradeço a equipe da Sema (Secretaria de Estado de Meio Ambiente), que se empenhou nisso”.Além de incrementar a renda dos criadores, a comercialização da tilápia também visa facilitar o acesso de consumidores com menor poder aquisitivo, como destaca o presidente da Associação dos Aquicultores de Mato Grosso (Aquamat), Daniel Garcia de Carvalho Melo. “Já são conhecidos protocolos de produção, índices de produtividade e outras informações técnicas importantes a respeito desta espécie, o que resulta num custo menor de produção e, consequentemente, de comercialização”.


Da Assessoria


 

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Variedades Super Heróis em situações inusitadas
Mangás e Animes Oito curiosidades que você não deve saber sobre os Simpsons
Comportamento Tem medo do fracasso? Você tem que ler estas dicas
Celulares Vídeos Youtube poderão ser abertos dentro do Whatsapp
Comportamento Padrões de beleza feminina em 15 diferentes países. Brasileiros são mais exigentes.
Ciência Experimento de Sala de Aula: Colocar ovo na garrafa
Autos e Motos Miniatura de um Volkswagen Karmann Ghia
Turismo Maravilhosa Ponte de Oresund, com rodovia e ferrovia, submerge no mar