Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Policial do Gaeco é preso por tentar vender informações sobre operação em MT, diz MP

PM teria tentado obstruir as investigações durante a primeira fase da Operação Convescote. Gaeco também cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do policial.

 

Um policial militar lotado no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) , do Ministério Público Estadual, foi preso na sexta-feira (15), durante mais uma fase da Operação Convescote, que apura desvio de R$ 3 milhões em recursos públicos pagos em convênios firmados entre a Fundação de Apoio ao Ensino Superior Público Estadual (Faesp) e a Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) e o Tribunal de Contas do Estado (TCE). O G1 não localizou a defesa do PM.

Segundo o MP, durante a primeira fase da operação, que resultou na denúncia de 22 pessoas, o agente teria tentado obstruir as apurações em curso, além de ter solicitado vantagem indevida a um dos investigados para vender informações sigilosas que favoreceriam a organização criminosa, o que causou prejuízo para as investigações.

O policial foi preso pelo próprio Gaeco, após o desvio de conduta ser identificado. A prisão foi determinada pelo Juízo da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, onde já tramita a primeira ação penal referente à operação. Além disso, também foi determinada busca e apreensão na residência do agente.

Denúncia do MP

De acordo com o MP, a organização criminosa agiu no estado entre os anos de 2015 e 2017, com clara divisão de tarefas, se apropriando de recursos públicos e lavando o dinheiro para dissimular a natureza. O líder do esquema seria um servidor do TCE, que à época dos fatos ocupava o cargo de secretário executivo de Administração daquele órgão. A esposa dele também é acusada de ter envolvimento com a organização.

Conforme a denúncia, o servidor tinha sob o seu comando o Núcleo de Gestão de Contratos, Convênios e Parcerias, que é o setor responsável pela administração de todos os convênios, contratos e instrumentos congêneres.

O MP aponta que as empresas envolvidas no esquema delituoso são de propriedade dos demais membros da organização, que também foram denunciados.

As investigações apontam que a ALMT, o TCE, secretarias estaduais e prefeituras firmaram convênio com a Faesp para a prestação de serviços diversos. A fundação, por sua vez, subcontratava empresas – algumas delas fictícias, como as investigadas na operação –, pagando pelos serviços com dinheiro público.

  • Cuiabá

 

 

 

Veja mais:

PUBLICIDADE
Comportamento Agressão no trânsito pode levar a acidentes graves, como se acalmar ao volante!
Variedades Saiba o que fazer para deixar seus copos brilhando após o uso
Comportamento Algumas dicas que irão ajudá-lo a gastar menos dinheiro quando fizer compras
Comportamento Sem espaço em casa? veja essas ideias
Celulares Novo Iphone deverá ter reconhecimento facial, lançamento previsto para 2018
Comportamento Você tem uma vida feliz se pode responder a essas perguntas!
Comportamento Você sabia que o álcool pode ser segredo de um relacionamento duradouro?
Artes Imagens de trabalho de Andrew Hickinbottom
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE