Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Bate-papo online discute perspectivas brasileiras para Paralimpíada de Tóquio

 
Verônica Hipólito conquista prata nas Paralimpíadas
Verônica Hipólito exibe medalha de prata obtida na Paralimpíadas do Rio   Marcio Rodrigues/MPIX/CPB

A contribuição do Bolsa Atleta para a formação de competidores de alto rendimento e as expectativas para os Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020, foram os principais temas de um bate-papo online, nesta sexta-feira (15) entre o coordenador-geral do programa, Mosiah Rodrigues, o nadador Phelipe Rodrigues e os atletas Verônica Hipólito e Yohansson Nascimento.

No bate-papo, Phelipe ressaltou o quanto é importante o apoio que os atletas recebem. Phelipe, que começou a nadar aos 12 anos por recomendação médica, conquistou sete medalhas (quatro de prata e duas de bronze) em três edições de  Jogos Paralímpicos (Pequim, em 2008, Londres, em 2012, e Rio de Janeiro, em 2016).

“Tenho certeza de que, sem o apoio que a gente tem hoje, não teríamos os resultados que tivemos”, disse o nadador, de 27 anos.

Na conversa, Verônica Hipólito lembrou que levar vida de atleta custa caro, por causa do treinamento pesado e da dieta especial para os que almejam chegar à categoria de alto rendimento. “Isso não é barato”, afirmou a atleta, que tem 21 anos, e saiu da última Paralimpíada, no Rio, com duas medalhas, uma de prata e uma de bronze.

Bolsa Atleta

Em 2005, o governo brasileiro criou o maior programa de patrocínio individual de atletas no mundo, o Bolsa Atleta. Com bolsas que variam de R$ 370 a R$ 15 mil, o programa permite que os atletas se dediquem ao treinamento para competições locais, sul-americanas, pan-americanas, mundiais, olímpicas e paralímpicas.

Para Verônica, o Bolsa Pódio, nova categoria do programa Bolsa Atleta, oferece aos atletas oportunidade de aumentar o rendimento paralímpico. “Existem muitos países em que ainda se diz que 'é um deficiente praticando um esporte', mas não é. É um atleta de alto rendimento”, enfatizou.

Rio de Janeiro - O coordenador do Bolsa Atleta, o ex-ginasta Mosiah Rodrigues, fala sobre o programa (Tomaz Silva/Agência Brasil)
O coordenador do programa Bolsa Atleta, Mosiah Rodrigues   Tomaz  Silva/Arquivo/Agência  Brasil

Para o coordenador do programa, Mosiah Rodrigues, o suporte financeiro é um dos pilares para a construção de um atleta que vai em busca da medalha de ouro, e o Bolsa Atleta é uma forma de contribuição, porque ajuda em vários fatores, como as equipes multidisciplinares, estrutura, treinadores, centro de treinamentos e equipamentos. 

“A gente consegue treinar na mesma condição que o nosso adversário”, destacou Mosiah, que foi o único representante brasileiro na ginástica artística masculina na Olimpíada de Atenas, em 2004.

Depois das medalhas de prata e bronze na Rio 2016, Verônica está confiante e se prepara para a conquista do ouro nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020. “Agora eu quero o ouro e eu vou atrás do ouro”, afirmou.

Com sede em São Paulo, o Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro atende a atletas de diversas modalidades: atletismo; basquetebol em cadeira de rodas; bocha; natação; esgrima em cadeira de rodas; futebol de cinco; futebol de sete; goalball; halterofilismo; judô; rúgbi em cadeira de rodas; tênis em cadeira de rodas; tênis de mesa e voleibol sentado.

*Estagiária sob supervisão de Nádia Franco

 

 

 

PUBLICIDADE
Variedades Já viu como funciona uma fechadura por dentro?
Variedades 15 fotoflagrantes incríveis
Política Os venezuelanos merecem Maduro como presidente?
Ecologia Tenha rosas em casa durante o ano todo
Saúde e Bem Estar Você pode manter a firmeza dos seios por mais tempo
Games Teste: Encontre o único dado com sete bolas
Variedades Super Heróis em situações inusitadas
Saúde e Bem Estar Alimentos que o ajudam a se desintoxicar depois de parar de fumar
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE