Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Matas em nascentes do Rio Cuiabá são destruídas pelo fogo em MT

Segundo o Corpo de Bombeiros, incêndios florestais já duram mais de 15 dias. Mais de 30 mil hectares já foram atingidos pelo fogo em parque e área de proteção ambiental.

 
 -  Bombeiros usam aeronave em combate a incêndios em nascentes do Rio Cuiabá  Foto: CBM-MT/Divulgação
Bombeiros usam aeronave em combate a incêndios em nascentes do Rio Cuiabá Foto: CBM-MT/Divulgação

Os Corpo de Bombeiros tenta controlar dois incêndios florestais iniciados há mais de 15 dias em nascentes do Rio Cuiabá, na capital. Segundo os bombeiros, o fogo adentrou o Parque Estadual Águas de Cuiabá e a Área de Proteção Ambiental Cabeceiras do Cuiabá, sendo utilizado o combate terrestre e aéreo para tentar conter os incêndios.

Conforme o Corpo de Bombeiros, a área é de difícil acesso por ser geograficamente acidentada e bombeiros em terra usam mochilas costais e abafadores para extinguir o fogo. Nesta sexta-feira (15), uma guarnição desceu a serra, ao nascer do sol, combatendo diretamente os focos.

Até o momento, aproximadamente 32 mil hectares foram atingidos pelo fogo. Dentro da unidade de conservação estadual, 2,1 mil hectares foram queimados.

Ao todo, 19 bombeiros militares e oito funcionários das fazendas vizinhas atuam no combate. Para auxiliar nos trabalhos, as equipes utilizam uma aeronave, dois caminhões pipa (com capacidade para 60 mil litros cada), uma auto bomba tanque florestal, um trator com grade e quatro auto rápidos florestais.

Bombeiros usam aeronave em combate a incêndios em nascentes do Rio Cuiabá (Foto: CBM-MT/Divulgação) Bombeiros usam aeronave em combate a incêndios em nascentes do Rio Cuiabá (Foto: CBM-MT/Divulgação)

Bombeiros usam aeronave em combate a incêndios em nascentes do Rio Cuiabá (Foto: CBM-MT/Divulgação)

Focos de calor

Conforme os bombeiros, os focos de incêndio em unidades de conservação federais e estaduais somam 3,31% dos focos de calor registrados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Já os focos em áreas privadas representam 66,81% do total.

As terras indígenas são a segunda tipificação de território em quantidade de focos (20%), seguida dos projetos de assentamento (7,45%).

  • Cuiabá

 

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE