Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

POLÍTICA

Justiça derruba Valtenir e manda Garcia reassumir PSB em Mato Grosso

 
O juiz Emerson Luiz Pereira Cajango, da 8ª Vara Cível de Cuiabá, concedeu uma liminar para reconduzindo a direção destituída do PSB de Mato Grosso ao comando da legenda. Desta forma, o deputado federal Fábio Garcia (PSB) reassume a presidência do partido no Estado.

O deputado havia sido retirado da função de dirigente partidário em 27 de abril, após votar a favor da reforma trabalhista. A orientação da executiva nacional do partido era para que os deputados da legenda votassem contra a proposta do presidente Michel Temer (PMDB).

Após a destituição, o PSB em Mato Grosso viveu momentos de “ebulição”. Isso porque, o presidente da direção nacional Carlos Siqueira trouxe para o partido o deputado federal Valtenir Pereira, que estava no PMDB.

Pereira retornou ao PSB já na condição de presidente da legenda no Estado. Ele, que deixou a sigla em 2013, é “desafeto” declarado do grupo de Fábio Garcia e oposição ao governador Pedro Taques (PSDB), que conta com apoio dos deputados da legenda.

IRREGULARIDADES EM AFASTAMENTO

Desde a destituição, a direção comandada por Fábio Garcia ingressou na Justiça para retornar ao comando do partido. A alegação é de que a decisão do presidente nacional do partido, Carlos Garcia, contém inúmeras irregularidades.

A primeira delas é de que não foi instaurado nenhum processo formal na executiva do partido para discutir o afastamento. Além disso, não houve direito a ampla defesa e ao contraditório, além da ausência de motivo determinante para o afastamento.

Na decisão, o juiz Emerson Luis Pereira Cajango, ressaltou que a ata de convocação da reunião da Executiva Nacional não previa a discussão da possível destituição das comissões provisórias da legenda. Segundo o magistrado, isso feriu o direito do contraditório e da ampla defesa.

Além disso, o magistrado pontuou que a executiva nacional não é o “órgão máximo” na legenda para deliberar votações de deputados. Fábio Garcia deixou comando do partido após votar contra a orientação partidária em relação a votação da reforma trabalhista.

Porém, o estatuto do partido diz que o Congresso Nacional da legenda é o “órgão” responsável para deliberar sobre princípios e a orientação partidária. “No entanto, tal observância também restou desobedecida, ao passo que o fechamento da questão restou deliberado pela Comissão Executiva, órgão de hierarquia inferior ao Congresso, o que por si só não geraria o condão de fazer com que todos os parlamentares votassem contra as reformas trabalhista e previdenciária”, diz trecho da decisão.

O magistrado determinou ainda que a decisão seja comunicada ao Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT). Além disso, agendou audiência de conciliação entre a direção estadual e a nacional para o dia 12 de setembro.


folha max

 

 

 

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Variedades Como encher balões em casa sem gás hélio
Variedades Já viu como funciona uma fechadura por dentro?
Música Nevermind, as curiosidades deste disco histórico do Nirvana
Variedades Sete truques baratos que vão facilitar sua vida
Mangás e Animes 15 frases de Homer Simpson que demonstram sua sabedoria
Variedades 15 fotoflagrantes incríveis
Imagens 13 enganos em fotos
Ecologia Impressionante: Formigas criam pulgões como humanos domesticam gado