Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

GERAL

Eike diz que desconhece interferência de Cunha em liberação de recursos do FGTS

 
O empresário Eike Batista afirmou nesta segunda-feira (17) desconhecer influência do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na liberação de recursos administrados pela Caixa Econômica Federal para a empresa LLX para obras no porto de Açu, no norte do Rio de Janeiro.

Em depoimento à Justiça Federal, Eike Batista disse que os projetos da empresa, da qual era dono, eram tratados por executivos, e não por ele diretamente, como presidente do conselho de administração.

“Não que eu saiba [interferência de Cunha]. Eu era presidente do conselho e isso era tratado com executivos da empresa”, afirmou. A mesma resposta foi dada quando Eike foi questionado se tratou com outras autoridades, como a ex-presidente Dilma Rousseff, para obter os recursos.

“Absolutamente não. Eu era presidente do conselho e esses assuntos eram tratados pelos executivos da companhia”, reforçou.

Eike depôs como testemunha num processo contra Cunha e outros acusados de cobrar propina para liberar recursos do Fundo de Investimento do FGTS para diversos projetos de infraestrutura. Em 2012, o FGTS investiu R$ 750 milhões na LLX para obras no porto de Açu.

No depoimento, Eike Batista também negou que tenha pagado propina para obter o dinheiro. “Absolutamente não”, respondeu. Questionado se alguém cobrou propina, ele disse que não iria responder, seguindo orientação do advogado.

As suspeitas de propina a Cunha surgiram no depoimento do empresário Alexandre Margotto, ligado a Lúcio Funaro, apontado como operador do peemedebista em esquemas de corrupção e também acusado no processo.

De acordo com Margotto, Funaro contou a ele que se encontrou com Eike em um jantar em Nova York. Algum tempo depois, segundo Margotto, o investimento do FGTS na empresa de Eike foi liberado, com a autorização de Cunha.

Antes de Eike, depôs à Justiça Federal a ex-presidente da Caixa Maria Fernanda Ramos Coelho. Ela comandou o banco entre março de 2006 e março de 2011, antes da nomeação de Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa indicado por Cunha e que atuaria em favor dele.

Após explicar como funciona o processo de liberação de empréstimos da Caixa, ela também disse não conhecer a influência do ex-deputado no banco ou de propina envolvendo Cleto.

“Desconheço qualquer vantagem que tenha acontecido nesse período. De forma alguma”, disse.

G1

 

 

 

 -
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Comportamento Quer impressionar uma garota? aqui vão algumas dicas
Ciência Experimento de Sala de Aula: Colocar ovo na garrafa
Saúde e Bem Estar Força de vontade: Ele perdeu mais de 300 quilos e tornou-se um instrutor de fitness
Variedades Já viu como funciona uma fechadura por dentro?
Saúde e Bem Estar Alho: cure dores de dente, ouvido ou de cabeça com esse alimento
Saúde e Bem Estar 7 cuidados que devemos ter quando vamos entrar ou sair do inverno
Política Os venezuelanos merecem Maduro como presidente?
Saúde e Bem Estar As mulheres amam sapatos, mas que cuidados devemos ter ao escolhê-los?