Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

GERAL

Eike diz que desconhece interferência de Cunha em liberação de recursos do FGTS

 
 -
O empresário Eike Batista afirmou nesta segunda-feira (17) desconhecer influência do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na liberação de recursos administrados pela Caixa Econômica Federal para a empresa LLX para obras no porto de Açu, no norte do Rio de Janeiro.

Em depoimento à Justiça Federal, Eike Batista disse que os projetos da empresa, da qual era dono, eram tratados por executivos, e não por ele diretamente, como presidente do conselho de administração.

“Não que eu saiba [interferência de Cunha]. Eu era presidente do conselho e isso era tratado com executivos da empresa”, afirmou. A mesma resposta foi dada quando Eike foi questionado se tratou com outras autoridades, como a ex-presidente Dilma Rousseff, para obter os recursos.

“Absolutamente não. Eu era presidente do conselho e esses assuntos eram tratados pelos executivos da companhia”, reforçou.

Eike depôs como testemunha num processo contra Cunha e outros acusados de cobrar propina para liberar recursos do Fundo de Investimento do FGTS para diversos projetos de infraestrutura. Em 2012, o FGTS investiu R$ 750 milhões na LLX para obras no porto de Açu.

No depoimento, Eike Batista também negou que tenha pagado propina para obter o dinheiro. “Absolutamente não”, respondeu. Questionado se alguém cobrou propina, ele disse que não iria responder, seguindo orientação do advogado.

As suspeitas de propina a Cunha surgiram no depoimento do empresário Alexandre Margotto, ligado a Lúcio Funaro, apontado como operador do peemedebista em esquemas de corrupção e também acusado no processo.

De acordo com Margotto, Funaro contou a ele que se encontrou com Eike em um jantar em Nova York. Algum tempo depois, segundo Margotto, o investimento do FGTS na empresa de Eike foi liberado, com a autorização de Cunha.

Antes de Eike, depôs à Justiça Federal a ex-presidente da Caixa Maria Fernanda Ramos Coelho. Ela comandou o banco entre março de 2006 e março de 2011, antes da nomeação de Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa indicado por Cunha e que atuaria em favor dele.

Após explicar como funciona o processo de liberação de empréstimos da Caixa, ela também disse não conhecer a influência do ex-deputado no banco ou de propina envolvendo Cleto.

“Desconheço qualquer vantagem que tenha acontecido nesse período. De forma alguma”, disse.

G1

 

 

 

PUBLICIDADE
Ecologia Será que só os humanos perderam o sentido de amor?
Artes Imagens de trabalho de Andrew Hickinbottom
Comportamento 8 segredos da linguagem corporal que usam todas as pessoas bem sucedidas. A 6ª é essencial.
Variedades 15 fotoflagrantes incríveis
Celulares Novo Iphone deverá ter reconhecimento facial, lançamento previsto para 2018
Celulares Vídeos Youtube poderão ser abertos dentro do Whatsapp
Variedades Você sabe quais são os lugares mais seguros no avião?
Comportamento Padrões de beleza feminina em 15 diferentes países. Brasileiros são mais exigentes.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE